[Poesia] Isso é o verdadeiro amar?

Post escrito originalmente em 22 de março de 2016.


Olá a todos, novamente! 🙂 Estão bem?

Depois de vários posts adultos, vamos voltar ao tom normal deste blog! xD Transcrevo aqui mais uma poesia minha!

Isso é o verdadeiro amar?
Isso é o verdadeiro amar? – Imagem retirada deste site.

 

Isso é o verdadeiro amar? Poesia: Isso é o verdadeiro amar?

 

* Vega e Altair são duas estrelas que representam o casal Hikoboshi e Orihime, respectivamente, em uma lenda japonesa. Apesar de poderem se ver apenas uma vez por ano, o amor deles é genuíno e persistente.

Bom, por hoje é só!

E nunca se esqueçam! O maior de todos os tesouros são os seus sonhos!

Abraços!

Coração Perfeito

Post escrito originalmente em 06 de março de 2012.


Olá para todos! 🙂 Como vão?

No post de hoje vou falar sobre o que é um coração perfeito. Inspirei-me em uma imagem que vi na página Retalhos, do Facebook:

Coração Perfeito

Para vocês, o que é um coração perfeito? Seria um coração liso, sem um arranhão, intacto, “perfeito”? Para mim, o verdadeiro coração perfeito é aquele cheio de buracos e feridas.

Os que se orgulham de ter um coração sem um arranhão, acreditando que este é perfeito, não entendem o quão maravilhoso é doar-se e/ou amar alguém!

A cada pessoa que amamos, damos um pedacinho do nosso coração, muitas vezes não recebemos de volta um pedaço do coração dessa pessoa, ou recebemos em tamanho diferente. Outras vezes recebemos de alguém inesperado… Às vezes, nos ferimos, às vezes machucamos quem amamos e nos magoamos com isso. Mas, tudo isso é uma prova de que esses sentimentos preciosos existiram/existem.

Assim, talvez o nosso coração fique realmente cheio de emendas, buracos, feridas e irregularidades, mas quem tem o coração assim, é mais feliz, pois sabe o que é realmente amar alguém, e a felicidade que sentimos em amar sem esperar nada em troca!

Cada ferida, cada marca, cada buraco em nosso coração é uma prova de que alguém importante passou pela nossa vida!

Há uma pequena historinha que fala sobre isso! (Não havia colocado na postagem original, em meu blog antigo). Eu a recebi por e-mail em setembro de 2011, de minha querida Aline Torres:

Um Belo Coração
Imagem retirada deste site.

Um Belo Coração

Para que tenhamos um coração belo é preciso saber  o que é a verdadeira beleza e como conquistá-la!

Um jovem estava no centro da cidade, proclamando ter o coração mais belo da região. Uma multidão o cercou e todos admiraram o seu coração. Não havia marca ou qualquer outro defeito. Todos concordaram que aquele era o coração mais belo que já tinham visto. O jovem ficou muito orgulhoso por seu belo coração.

De repente, um velho, aliás, um Idoso, apareceu diante da multidão e disse:

-“O coração do jovem não é tão bonito quanto o meu!”

A multidão e o jovem olharam para o coração do idoso, que estava batendo com vigor, mas tinha muitas cicatrizes.

O jovem olhou então para o idoso e disse:

-“O senhor deve estar brincando… Compare nossos corações. O meu está perfeito, intacto e o seu é uma mistura de cicatrizes e buracos!”

-“Sim! – disse o idoso. – Olhando, o seu coração parece perfeito, mas eu não trocaria o meu pelo seu. Veja, cada cicatriz representa uma pessoa para a qual eu dei o meu amor. Tirei um  pedaço do meu coração e dei para cada uma dessas pessoas. Muitas delas deram-me também um pedaço do próprio coração para que eu colocasse no meu, mas, como os pedaços não eram exatamente iguais, há irregularidades. Mas eu as estimo, porque me fazem lembrar do amor que compartilhamos. Algumas vezes, dei pedaços do meu coração a quem não me retribuiu. Por isso, há buracos. Eles doem. Ficam abertos, lembrando-me do amor que senti por essas pessoas… Um dia espero que elas retribuam, preenchendo esse vazio. E então, jovem? Agora você entende o que é a verdadeira beleza?”

O jovem ficou calado e lágrimas escorreram pelo seu rosto. Aproximou-se do idoso, tirou um pedaço do seu perfeito e jovem coração e ofereceu ao velho, que retribuiu o gesto. O jovem olhou para o seu coração, não mais perfeito como antes, porém mais belo que nunca. Os dois se abraçaram e saíram caminhando lado a lado.

Como deve ser triste passar a vida com o coração intacto!

Do meu Coração, eu retirei este pedacinho especial para você! Guarde-o, com carinho!

Bom, por hoje é só!

E nunca se esqueçam! O maior de todos os tesouros são os seus sonhos!

Abraços!

Sexo é pecado?

Post escrito originalmente em 18 de novembro de 2015.


Olá pessoas! 🙂 Como estão?

Hoje falarei sobre um assunto meio polêmico, ou talvez nem tanto, para a mentalidade comum atual… xD A relação sexual é um pecado?

Sexo é pecado?
Foto retirada deste site.

Primeiramente, vamos definir pecado. De forma sucinta, é toda violação de um preceito ou norma. Em geral, refere-se às religiosas.

Bom, sexo acho que não preciso definir…. Mas, por via das dúvidas, resumo tudo dizendo que é a relação entre dois indivíduos (falo do convencional, ok? xD) da mesma espécie, cuja finalidade é a reprodução, tendo como principal característica o prazer mútuo (depende da espécie).

Segundo os preceitos de muitas religiões, o ato sexual antes do casamento é considerado um pecado, tendo como consequência o julgamento/castigo divino. Mas será que é assim mesmo?

Inicialmente, vamos analisar o motivo de esta “regra” religiosa existir. Pelo senso comum, casa-se quando se encontra a pessoa a quem se ama verdadeiramente, e com quem deseja-se estar por toda a vida. Estas condições são as mesmas (e são essenciais) dentre duas pessoas, ao se praticar o sexo (ou deveriam ser). Creio eu, que seja por isso que esta “regra” foi imposta.

No entanto, vemos nos dias atuais o casar e divorciar tornando-se algo corriqueiro. Então pergunto-me se este preceito ainda é valido.

Ao meu ver, a relação sexual é saudável, e deve ser praticada. A questão mais importante não é essa. O ponto principal é: com quem. Não é certo sair fazendo a torto direito. Embora, sabe-se muito bem que atualmente, conseguir um(a) parceiro(a) sexual é bem fácil. Nas baladas e bares, principalmente, é bem comum, graças às “ficadas” e “rolinhos“, todos relacionamentos sem sentimentos profundos. Sem contar com a desvalorização da mulher por ela mesma (não estou generalizando, existem muitas exceções, mas este já é outro assunto.).

Então indago, esse tipo de relação é correta? Praticar o ato íntimo com alguém que mal conhece direito (às vezes nem se sabe o nome) só para obter prazer próprio é um ato aprovável?

Em minha opinião, não. Eu considero isso como pecado, por vários motivos:

  1. Nesta situação, um apenas está usando o outro como objeto de prazer e satisfação própria. Atitude tipicamente egoísta. Não há mínima união espiritual, nem sentimental. Apenas carnal.
  2. É uma grande mentira. O sexo é uma relação na qual um diz para o outro “amo você” e “teu corpo é meu corpo, meu corpo é teu corpo“. No entanto, nesta situação descrita, isso é verdade só durante uma (ou algumas) noite(s). Além dos corações não estarem unidos.
  3. Desvaloriza a si próprio. Em outras palavras, teu corpo pode ser possuído por qualquer um(a) que seja capaz de te seduzir. Quando encontrar a pessoa ideal, ela não saberá se ela(e) é apenas mais um(a) ou se é algo mais sério.
  4. Desvaloriza o próximo. Ou seja, não está vendo o próximo como humano, com sentimentos, pensamentos, desejos, medos, etc., apenas um instrumento de satisfação.
  5. Há grandes riscos, como: doenças, gravidez indesejada (que resulta em um outro problema que envolve a vida de um novo ser), etc.

Existem os que retrucam, dizendo que isso não é pecado, pois estão “doando” prazer ao próximo. Ao meu olhar, isso é apenas uma desculpa. O chamado sexo casual nunca é feito por caridade, e sim por desejo/excitação próprio. Caso contrário, as chamadas “periguetes” e os “garanhões” seriam os maiores santos ou divindades, por distribuírem prazer aos próximos (mas não são!).

Há quem diga, também, que durante uma transa casual, seu maior objetivo é ver a expressão de satisfação da parceira(o). Isso pode até ser verdade, mas certamente, não é a principal motivação de se realizar o ato. Aliás, ver a(o) outra(o) sentindo prazer, é por si só um estímulo para a excitação própria. Além disso, é uma forma de alimentar seu próprio ego. Conseguir faze-la(o) gozar é uma forma de se afirmar, dizendo que é bom de cama, mesmo que não diga isso explicitamente.

Resumindo, não há amor verdadeiro em seu ato. E, como poderia haver? O próprio “nome” já diz, é algo casual, não tem propósito algum (além do prazer).

Então, quando que o sexo não é pecado?

Sexo é pecado?
Sexo é pecado? – Montagem minha. A foto do casal foi retirada deste site (CUIDADO! Proibido para menores!). As chamas são destes dois sites: 01 | 02

É simples! A resposta já está implícita acima. Quando há amor verdadeiro!

Então, costuma-se questionar: “Mas não tem como saber se a companheira(a) atual vai ficar comigo para sempre!”. De fato! No entanto, fazer sexo com amor não é a certeza do relacionamento eterno. Mas sim que, naquele momento, o sentimento de ambos seja sério, o de querer ficar juntos para sempre. Um amor genuíno.

Todavia, não vale dizer que tem a intenção de ficar para sempre com cada moça(o) bonita(o) que encontrar por aí. Isso não é amor! É desejo, é atração, é tesão, é qualquer coisa! Mas não é amor!

Mesmo que futuramente, o relacionamento termine, o sexo foi feito com sentimento de união espiritual. Corpo e alma se tornando um e desfrutando de um prazer apaixonante. Com a vontade recíproca de quererem viver juntos o resto da vida. Não é esse o sentimento de um casal casado? (ou, deveria ser?).

No entanto, atualmente não é bem assim. Muitos casamentos são realizados sem amor. Confunde-se amor com paixão ou desejo e, assim, precipitam-se. Existem casados sem amor, assim como enamorados com amor. Por isso, creio que estar casado não é mais um requisito para se realizar o ato sexual.

(Atenção! Não estou dizendo que o casamento não é mais necessário! Pelo contrário, é algo lindo de se realizar! Mas, ele deve ser feito quando há a certeza de um recíproco e genuíno amor.).

Para meu entender, o principal requisito é um amor tão grande, que se tenha vontade de ser um com ela. Aquela que quando a gente abraça, ainda não se sente suficientemente próximo dela, querendo mais. Esta certeza de que, aconteça o que acontecer, querer estar com esta pessoa. Repito, mesmo que isso não aconteça no futuro, mas se este sentimento existir no presente, e se a determinação de querer fazer dar certo for real, então o sexo não é pecado, e sim uma manifestação de puro amor, sendo a coisa mais valorosa e maravilhosa deste mundo, o amor mais supremo que um casal pode manifestar.

No entanto, para ter este sentimento, não tem como fazer logo após conhecer a(o) parceira(o). É preciso um período de namoro. Conhecer bem é importante, inclusive para ter uma relação melhor. Sem contar a cumplicidade, que é essencial!

E tem mais, fazer amando e sendo amado(a) com sinceridade, é muito mais gostoso, sem dúvidas. Afinal, o picante é um dos sabores do amor.

Aprofundando mais o assunto, existem várias “modalidades” desse tipo de relação, além de muitas e muitas posições diferentes. Creio eu, que isso também não seja pecado. Isso é algo particular do gosto do casal. Se ambos acharem que devem praticá-los, ótimo! Mas se um dos dois não se sentir bem com qualquer ato desses, então é melhor respeitar.

Todavia, para mim, a criatividade é algo muito positivo, inclusive na cama. Isso inova, torna as coisas mais interessantes, e evita que isso se torne algo monótono, ou repetitivo. Na verdade, isso vale não só entre quatro paredes, mas também no dia a dia do casal. É aí que entra o ser em extinção, chamado romantismo. Dá para ser romântico até na intimidade!

E, por fim, voltando ao pecado, não acredito que Deus castigue e condene qualquer tipo de erro humano. Deus é Amor, é Perdão. Ele sempre irá perdoar Seus filhos, e jamais irá castigá-los. O que pode acontecer, segundo a magnífica lei Natural que Ele criou, chamada Lei da Atração (ou Lei Mental), é colhermos o que plantamos. Portanto, ao usar alguém, certamente serás usado (não necessariamente no mesmo aspecto que usastes o próximo), e isso não é punição, e sim a colheita do próprio plantio.

Bom, está aí minha opinião! O assunto é vasto e possui diversas opiniões. Mas, por hoje encerro aqui!

E nunca se esqueçam! O maior de todos os tesouros são os seus sonhos!

Abraços!