Vivemos em uma Matrix? – Filosofando sobre a existência

Olá a todos! 🙂 Como estão?

Na postagem de hoje irei questionar e filosofar sobre o assunto do título. Será que nós vivemos em uma Matrix?

Vivemos em uma Matrix?
Imagem retirada deste site.

Em 1999, foi lançado um filme que fez muito sucesso, que acabou tornando-se uma trilogia e, posteriormente, uma franquia. Seu nome é “Matrix“. E, desde então, uma teoria que diz que a realidade em que vivemos é virtual se popularizou, sendo inclusive aceitas por alguns cientistas, muito embora, esta teoria já existisse bem antes, sendo chamada de “Hipótese da Simulação“. O canal do YouTube chamado “Fatos Desconhecidos” discorre muito bem sobre essa teoria, de forma resumida:

Para os mais conservadores, essa ideia pode parecer absurda, mas será que é mesmo impossível? Se pararmos para pensar, as coisas podem começar a parecer fazer sentido.

Nós mesmos, já temos tecnologia para criar realidade virtual bem realista, certo? Imaginem se num futuro, com o aperfeiçoamento disto, os seres humanos passassem a entrar nesses mundos virtuais de uma forma tão profunda, que eles mesmos se esquecessem de que tudo aquilo é um jogo? Os avatares dentro dessa realidade virtual, jamais saberiam que estão dentro de um jogo, certo? Pois bem, quem garante que nós não somos um avatar dentro de uma Matrix? Essa analogia não é minha, ouvi no vídeo do canal “COSMOS INTERIOR“, da querida Cris Brightlight, confiram:

Mas, sendo assim, surgem vários questionamentos: Então, nós não existimos? Somos apenas um personagem de jogo? Ou, é igual ao filme, onde vivemos escravizados por máquinas malignas?

Acho que a analogia da Cris (vídeo acima) responde algumas dessas dúvidas. Mas, vou discorrer à minha maneira, como eu imagino que as coisas funcionam, baseado em relatos de pessoas que já estão “despertas” (os hackers da analogia dela), já que eu, infelizmente, ainda quase não tive experiências que me mostrem isso. A própria Cris fez um relato sobre isso:

Imaginem uma Consciência que é Amor infinito e incondicional, ele é onipotente, onipresente e onisciente, portanto, não possui forma, não conhece sentimentos negativos e, apesar de ter a ciência de infinitas possibilidades, não pode se expressar, pois esse ser é tudo, todo e absoluto! Ele é a vibração extrema! – Meu humilde ego, ao imaginar isso, pensou: “deve ser meio monótono viver assim!”.

Então, sendo onipotente, Ele cria uma realidade virtuai (dimensão, se assim preferirem), com vários universos com milhares de galáxias com uma infinidade de estrelas e planetas. Assim, essa Existência de Luz, divide sua essência em inúmeras centelhas e as envia para dentro dessa simulação criada, estando dividido, e “encarnado” em um corpo limitado, ele passa a poder expressar/manifestar toda a sua ciência e Sabedoria. E, cada planeta habitado, como sendo um projeto para vivenciar um determinado tipo de experiência.

Todavia, nessa dimensão criada, ainda vibra-se de forma muito elevada, e os seres que nasceram nessa realidade, ainda possuem consciência de que na sua Essência, eles são aquele Ser perfeito. E, sendo assim, eles ainda não podem ter a experiência de todas as possibilidades.

Para poder realizar isso, eles criam uma nova dimensão (sabendo de sua essência, eles possuem a mesma capacidade onipotente), de vibração um pouco mais densa. Nessa nova realidade virtual, onde também existe universos com planetas e estrelas, a consciência de unidade já é um pouco mais dispersa, e as possíveis experiências que podem ser vivenciadas são em um leque mais diversificado. Além disso, os seres criadores dessa nova realidade, dividem sua essência em muitas centelhas, reduzindo a própria vibração, encarnando em novos corpos. Todavia, ainda assim, existem mais infinitas possibilidades que só podem ser conhecida em realidades ainda mais densas, então faz-se novamente a criação de nova dimensão.

Tal processo, é repetido muitas e muitas vezes, sendo um Matrix dentro de outra Matrix, dentro de outra Matrix, e assim por diante! Até chegar em um ponto que, surgem realidades tão densas (como a nossa), onde os seres que vem para estas já se esqueceram completamente de sua Essência verdadeira. Nessas dimensões densas, passou a existir algo chamado “dualidade” (bem e mal, luz e trevas, certo e errado, bom e mau, alegria e tristeza, prazer e dor, etc.).

Além disso, em alguns poucos planetas dessas realidades mais densas, os seres passaram a contabilizar algo que não existe: o que chamamos de “tempo“. Sim, estou falando de nossa querida Mãe Terra.

Acho que deu para perceber que a Consciência perfeita inicial é o que chamamos mais comumente de Deus (mas, que tem vários outros nomes: Alá, El, Energia, Buda, etc.). E, que nós somos uma centelha da centelha da centelha da centelha …  da centelha desse Deus, e que esquecemos de nossa origem.

Com isso, surge outra dúvida: como assim não existe tempo? Existe ontem, hoje e amanhã! E as horas? Marcamos horários para tudo!

Então… na verdade, tudo está em paralelo, o passado, o presente e o futuro. Sim, o futuro já aconteceu, ou está acontecendo juntamente com o presente! Mas, devido a condicionamentos que viemos sofrendo por gerações, acabamos criando essa percepção de linearidade de acontecimentos, passando a sentir o tempo. Como temos a força criadora do Consciência Divina, então o tempo se concretiza na nossa realidade.

Mas, sendo assim, muitos vão indagar que não existe o livre arbítrio, já que o futuro já aconteceu. Porém, não é bem assim! Na realidade, todas as possibilidades de futuro já existem, somos nós que escolhemos qual vamos vivenciar. E, a forma de escolher está no presente, com os pensamentos, atitudes e, principalmente, sentimentos que carregamos no dia a dia.

Portanto, a força criadora é o Amor, que é um sentimento que, por sua vez, é uma vibração (onda) de energia que tudo cria! E, como estamos numa realidade onde existe a dualidade, então temos o seu inverso, que é o ódio (e, outros sentimentos negativos), que são ondas de vibração mais densas (também é energia). Atraímos o futuro que vibra na mesma vibração de nossos atos. Conseguem reconhecer a Lei da Atração aqui? A mesma descrita por Rhonda Byrne em seu livro “O Segredo“! Que é chamada de Lei Mental, pela SEICHO-NO-IE! Que está intrinsecamente ligada à Terceira Lei de Newton da Física (ação e reação) e do Princípio da Conservação de Energia (energia não pode ser criada e nem destruída, ela apenas se transforma)! E, que resume-se no “Dai e ser-vos-á dado” (Lucas 6:38) de Jesus Cristo!

Aí, pode surgir o questionamento: como é que simples sentimentos podem atrair situações, ou até coisas materiais?

A resposta é bem simples! Nossos sentimentos são energia, assim como nossos pensamentos! As situações também são pura energia de sentimentos dos envolvidos no mesmo. E a matéria é energia condensada (vide este artigo). Com isso, é fácil concluir que se manifestamos energia de Amor, por exemplo, pela Lei da Atração, retornará a mesma energia de Amor (talvez, de forma diferente, já que a ela se transforma), pois elas combinam. Por isso, ao ser solidário com uma pessoa (atitude de amor), muito provavelmente, não receberá o amor dessa mesma pessoa. Ela virá de outro lugar! O mesmo vale com dinheiro, por exemplo: quem doa verdinha despretensiosamente, com o sentimento verdadeiro de solidariedade, não irá receber a prosperidade de quem recebeu, muitas vezes, ela retorna em forma de algum produto, ou de um bom desconto em uma compra, ou em forma de presente de alguém inesperado, e por aí vai!

E, é assim pelo fato de tudo ser Energia! Que, se bem lembram do início da postagem, é aquela Consciência perfeita, de puro Amor, onipresente, onipotente e onisciente! Temos esse mesmo poder de criação, mas, por estarmos em um ambiente virtual denso, tudo é mais lento.

Sem contar que, vivemos dentro de um sistema, que quer limitar de todo jeito o despertar das pessoas. Esse sistema, é o que os teóricos da conspiração costumam chamar de Cabala, ou Illuminati. Eu vejo estes como a Matrix do filme, a entidade controladora e escravizadora (embora, o filme passa outra ideia, a de que essa máquina do mal é que está fora da Matrix, controlando tudo. Sendo que analogamente, esta seria Deus. Mas, lembrem-se que quem produz os filmes é o sistema, e eles querem mesmo que temamos Quem está fora da Matrix). Essa parte, o Pedro Pavanello, do “Canal do PAVA“, explica muito bem, em seu vídeo:

Quem já começou o processo do despertar (expansão da consciência), deve perceber bem o que o sistema faz conosco, tudo (principalmente nas mídias) tem o objetivo de torná-las mais apegadas ao material, ou de colocar medo nas pessoas! Isso pois, o medo é um sentimento denso, e dificulta o despertar. Assim como as músicas (não todas, é claro), que tentam prender-nos a baixas faixas vibracionais, com letras, mensagens subliminares e frequências binaurais. Sempre remetendo à tristeza, amor não correspondido, perdas, bebidas, drogas, sexo promíscuo (obs.: sexo em si, não é denso, desde que haja amor), etc.

MAS, mesmo essas entidades escravizadoras, possuem também a mesma essência de luz que a nossa! São nossos irmãos! Eles apenas estão atuando (como os atores fazem) como o “mal” (da dualidade de nossa dimensão), que na verdade não existe! Todos se esqueceram de sua origem, e estão cumprindo um papel determinado para proporcionar determinadas experiências aos outros (e a si mesmo). Mesmo nossas vivências mais dolorosas, foram escolhidas por nós mesmos antes de perdermos a memória!

Então, certamente, surgirá a questão: mas, quem é que, em sã consciência, iria querer sofrer algo doloroso? Ou passar por sentimentos ruins, como ódio, traição, tristeza, depressão, etc.?

A resposta está no início dessa reflexão! Nossa origem, que é um Ser de Amor perfeito, tem a ciência de que é possível ter esses sentimentos que rotulamos como ruins. Mas, ele não consegue conhecer isso, pois, Ele é puro Amor! Por isso, Ele quer passar por estas experiências (lembrando que dualidade não existe, por isso, não existe o conceito de bom e mau).

Dá para fazer uma analogia com jogos, novamente! Quem nunca jogou um jogo que, a certo nível, não consegue passar de fase, “morrendo” (ou perdendo) várias vezes? Mas, aí você começa de novo, com a convicção “dessa vez eu vou conseguir passar”! O sentimento de derrota, não nos é agradável, mas então, qual a razão de tentarmos de novo? Por que é divertido! Por que queremos saber o que tem nas próximas fases! Por que queremos experimentar o sentimento de vitória sobre essa adversidade! Então, é a mesma coisa!

Portanto, todo tipo de adversidade que passamos por aqui, pode ser vencida! Inclusive doenças (que, a princípio, também não existem!). E, o segredo para vencermos, é escolher sempre a vibração do Amor! Isso, não só para conseguirmos ter uma vida melhor aqui, nessa Matrix, mas, também, por já estar na hora de retornarmos para Casa, lembrando-nos de nossa origem! Tanto que, para isso, estão vindo muitas pessoas despertas para nos ajudar com essa lembrança (são os hackers da analogia do vídeo da Cris).

E, como fazemos para acelerar o nosso despertar? É só olharmos para “dentro” de nós mesmos! O sistema nos condiciona a olharmos para o exterior, buscamos tudo o que queremos fora (inclusive o amor). Sendo que, já temos tudo o que precisamos e desejamos, dentro de nós! O que percebemos do exterior é espelho do que temos no nosso interior. É como disse Cristo “Nem dirão: Ei-lo aqui, ou: Ei-lo ali; porque eis que o reino de Deus está entre vós.” (Lucas 17.20-21)

Existem várias formas para se fazer isso, algumas bem simples, como:

Apreciar o silêncio (sente-se confortavelmente, feche os olhos, e curta o silêncio, prestando atenção no que está sentindo, e sem dar bola para os pensamentos. Se eles vierem, deixem eles por aí, não os expulsem, nem lute contra eles!).

– A meditação (que não precisa ser como todos imaginam, sentado em posição de lótus, recitando o mantra OM, rodeado por incenso. Basta sentar ou deitar-se confortavelmente, e mergulhar nos sentimentos e sensações! Pode-se usar mantras – existem outras, além do OM, muitas são de melodia belíssimas! – Ou músicas apropriadas para ajudar!).

– Pode-se fazer o Ho’oponopono (prática originariamente havaiana), que consiste em dizer mentalmente (ou verbalmente, se quiser/puder) repetida e incansavelmente as palavras sinto muito, me perdoe, te amo, sou grato. Tem gente que consegue até se curar de doenças com isso! Além de fazer uma faxina mental geral! A Cris Brightlight fez um série de seis vídeos falando sobre essa prática e a sua experiência, confiram clicando aqui! (Na playlist, está faltando um vídeo após o “HO’OPONOPONO TRADICIONAL“, vou deixar abaixo.).

– Tem o Yoga, que não posso comentar muito, pois, nunca pratiquei, mas que ajuda no expandir da consciência.

Devem existir infinitas outras formas que desconheço, é só dar uma pesquisada na internet ou no YouTube. Mas, cuidado, é sempre bom dar uma filtrada nas informações! Mesmo porque, o assunto é abrangente e puxa muitos outros assuntos interessantes, como outras entidades espirituais, extraterrestres, e por aí vai!

Falando nisso, quero discorrer rapidamente onde entram os E.T.s e os espíritos, nesse esquema todo que eu discorri. Bom, o que chamamos (de forma genérica) de extraterrestres, são seres de outros projetos (planetas), que estão em um estágio diferente, ou seja, possuem vivências distintas das nossas!

Já o plano astral e espiritual, nada mais são que planos próximos do nosso, onde vamos quando dormimos e quando desencarnamos, e são menos densas (não tem matéria como aqui, é um pouco diferente! Tanto que é possível plasmar coisas com a mente), onde é possível ter alguma influência aqui.

Reparem que em momento algum, eu utilizei o termo mais/menos “evoluído“, já que, não existe evolução espiritual! Não estamos evoluindo, e sim, lembrando do que já sabíamos e de quem somos! Portanto, coisas como pecado, o karma e o samsara não existem! São ilusões e, para quem está preso nelas, não conseguem realmente sair! Os verdadeiros grilhões são a nossa própria mente (ou ego), que está em contraposição com a nossa alma (essência).

Bom, para encerrar, quero deixar recomendações de canais de YouTube e sites, para quem se interessar em buscar mais informações sobre a expansão de consciência!

– Adriane Silva | Café Quântico
Site | YouTube | Instagram | Facebook

– Cris Brightlight | COSMOS INTERIOR
Site | YouTube | Instagram | Facebook | Google+

– Joyce Eliza | DESPERTAR com Joyce Eliza
Site | YouTube | Instagram | Facebook

– Érica Lima | Esquecer pra descobrir
Site | YouTube | Instagram | Facebook | Twitter

– Meire J. Costa | Coisas do Astral
YouTube | Facebook

– mxvenus
YouTube

– Nina Rosa | Herança Divina
YouTube | Facebook

– Pedro Bianchini Pavanello | Canal do PAVA
Site | YouTube | Instagram | Facebook | Google+

– Portal D’Águia Fluorita
Facebook

– Somos Todos Mestres (Érica Lima+Cris Brightlight+Joyce Eliza)
Site

Bem, eu não estou nem engatinhando nesse caminho da expansão da consciência, digamos que eu apenas abri os olhos! Mas, com paciência e prática, a gente chega lá!

Por hoje é só!

E nunca se esqueçam! O maior de todos os tesouros são os seus sonhos!

Abraços

[SEICHO-NO-IE] Pecado não existe

Post escrito originalmente em 12 de agosto de 2013.


Olá a todos! 🙂 Como estão?

Neste post, transcreverei um trecho da Sutra Sagrada – Chuva de Néctar da Verdade da SEICHO-NO-IE. Depois falarei o que penso sobre o assunto.

Pecado não existe
Pecado não existe – Imagem retirada deste site.

PECADO

“‘Tem o pecado existência real?’ -Volta a indagar o Querubim.
Ouve-se a voz do Anjo que assim responde: Tudo o que verdadeiramente existe são somente Deus e o que vem de Deus.
Sendo Deus a Perfeição, tudo que foi criado por Deus é Perfeição também. Então pergunto: Considerais perfeição o pecado?
Responde o Querubim: ‘Mestre, o pecado não é perfeição’.
Prossegue o Anjo:

O pecado não é Realidade porque é imperfeição,
a doença não é Realidade porque é imperfeição,
a morte não é Realidade porque é imperfeição;
não considereis Realidade o que não foi criado por Deus.
Não vos atemorizeis imaginando aquilo que é inexistente, como num pesadelo.
Pecado, doença e morte, porque não são criações de Deus, são irrealidades, são falsidades, embora usem a máscara da Realidade.
Vim para arrancar essa máscara e mostrar a irrealidade do pecado, da doença e da morte.

No passado veio Sakyamuni com essa mesma finalidade;
Jesus Cristo também veio com essa finalidade.
Se o pecado existisse realmente, nem os budas todos do Universo conseguiriam extingui-lo;
nem mesmo a Cruz de Jesus Cristo conseguiria extingui-lo.
Porém sois felizes, pois que o pecado é irrealidade, sombra da ilusão,
os budas todos do Universo remiram os homens e bem extinguiram seus pecados.
Também Jesus Cristo, usando apenas de palavras, disse ‘São-te perdoados os teus pecados’ e bem extinguiu os pecados.
Eu também, através da Palavra, faço escrever Poemas da Seicho-No-Ie e pelo Poder da Palavra revelo a natureza do pecado e faço com que o pecado volte ao nada original.
Aquele que lê as minhas Palavras extingue todos os pecados, pois conhece a Imagem Verdadeira da Realidade.
Aquele que lê as minhas Palavras extingue todas as doenças, pois conhece a Imagem Verdadeira da Vida, supera a morte e vive eternamente.” (Sutra Sagrada – Chuva de Néctar da Verdade)

O que vocês pensam sobre o pecado? Ele existe? Deus castiga quem o comete?

Segundo a SEICHO-NO-IE (e a minha crença também), pecado não existe! Afinal, não foi dito que Jesus Cristo remiu os homens do pecado, através de sua crucificação? Se o pecado fosse uma existência verdadeira, criada por Deus, seria inextinguível. Por isso, pecado é apenas ilusão criada por nós.

Aos que acreditam nEle, creio que todos concordam que Deus é perfeito. E que, tudo o que existe é criação dEle. Se Ele é perfeição, tudo o que foi criado por Ele, também é perfeição. Portanto, duvidar da perfeição de sua criação, é duvidar da perfeição de Deus. Sendo o homem criação de Deus, então este também é perfeição. Pela mesma linha de raciocínio, Deus não criou o pecado, tanto que este não é perfeição e, portanto, não existe.

Além disso, se Deus tivesse criado o pecado, então, Cristo seria um rebelde contra o próprio Pai, ao extinguir algo que o Próprio Pai criou. Seria algo contraditório Ele o mandar aqui para remir algo que Ele mesmo, o Ser Perfeito, criou.

Aos que leram até aqui, muitos devem questionar a perfeição do homem, já que vemos as milhares de atrocidades ocorridas no decorrer da história da humanidade, assim como erros e falhas. E este é o ponto principal! Tudo isso é ilusão! A perfeição humana é escondida por milhões de ilusões de imperfeições, como tristeza, ódio, erros, falta de sabedoria, pobreza, sofrimento, doença, infelicidade, angústia, etc…

É difícil aceitar esta verdade, pois somos muito apegados a tudo o que percebemos com nossos cinco sentidos e, por conta disso, não conseguimos confiar totalmente na perfeição de Deus. Na mesma sutra do trecho acima, é dito que Deus é a fonte luminosa e o homem é a luz emanada de Deus. Essa analogia é perfeita! Não existe fonte luminosa sem luz e nem existe luz sem fonte luminosa.

Para os que ainda não estão convencidos (embora não seja meu objetivo convencer ninguém), podemos ir mais além, até do que o própria SEICHO-NO-IE vai. Se conseguirmos transcender o conceito de dualismo (bem e mal; luz e trevas), vamos perceber que todos os sentimentos e situações que passamos nessa vida, são meras experimentações do que não existe lá na Fonte (Deus). Imaginem um ser perfeito que é puro Amor, não tem tempo e nem espaço (ser atemporal e onipresente), tem Sabedoria infinita (onisciente) e poder infinito (onipotente). Porém, por ser onipresente não tem como se expressar e, por ser puro Amor, não tem como sentir o quão grandioso ele é (não existe um parâmetro de comparação, certo?). Tentem imaginar como seria “tedioso” e frustrante. Por isso, sendo onipotente, ele se estendeu e se dividiu e subdividiu em zilhões de raios de luz (nossa alma, ou espírito, ou consciência, ou como quiserem chamar) e criou várias realidades ilusórias (que está na moda chamar de Matrix), onde existissem ilusões de diversos sentimentos opostos ao amor (dualidade), e que cada raio de luz (nós) nos esquecêssemos de nossa origem e, por isso, pensamos que somos tão pequeninos e imperfeitos. Sendo assim, teríamos nossa essência perfeita (não falo do homem carnal, não somos o nosso corpo, certo?), e mesmo as pessoas que rotulamos como más, são corajosos raios de luz divinas que estão interpretando (embora tenham se esquecido disso também) o oposto do amor, para que possamos entender o valor do mesmo e para experimentar as mais diversas situações e sensações que não existem na realidade (é mais ou menos a mesma coisa que aquelas pessoas que gostam de jogar/assistir games/filmes de terror, ou de violência. Elas não são aquilo que estão jogando, mas estão experimentando a sensação daquilo.).

Quanto ao pecado original, mencionado na Bíblia, a interpretação da SEICHO-NO-IE é que a maçã comida por Adão e Eva (humanidade) representa a ciência e o materialismo. Ao comer esta fruta, criou-se a ilusão do pecado. Reparem que quanto mais a ciência avança, mais doenças surgem e, estas tornam-se mais frequentes. E, quanto mais materialista as pessoas se tornam, mais doentes elas ficam (considerando a ansiedade, egoísmo, ciúmes, etc. como doenças psíquicas, o número de doentes a se contabilizar aumenta muito!). Mas isso já é outro assunto.

O pecado se manifesta à partir do momento em que acreditamos nele. Assim como o castigo de Deus se concretiza quando assim cremos. Deus não castiga ninguém, pois Deus é Amor Infinito e perdoa quantas vezes forem necessárias, sem cobrar nada em troca, é a essência perfeita do amor, chamado também de amor incondicional.

Alguns podem pensar: “Mas quem age de forma errônea, costuma se dar mal no final, não seria castigo de Deus?”. Minha resposta é não! Isso é apenas colher o que plantou. Na Bíblia é dito “Dá e ser-vos-á dado“; na física, temos a Terceira Lei de Newton, a de “Ação e Reação”; para a autora do livro/filme “O Segredo” e, para a SEICHO-NO-IE, é chamado de Lei Mental; A Christian Science também fala sobre isso de forma mais focada à doenças e suas curas. Enfim, nos damos mal quando praticamos algum ato negativo devido ao reflexo desta própria atitude.

Este assunto é bastante vasto e pode puxar muitos outros bastante interessantes e polêmicos, mas este post tem o intuito de fazer o leitor refletir sobre a inexistência do pecado e da essência perfeita do ser humano.

Por hora vou para por aqui!

E nunca se esqueçam! O maior de todos os tesouros são os seus sonhos!

Abraços!

Deus e Homem

Post escrito originalmente em 16 de fevereiro de 2013.


Olá pessoas! 🙂 Como estão?

O assunto deste post pode causar discordâncias, afinal, pode-se dizer que é um assunto “polêmico”. Falarei sobre Deus e sua relação com o ser humano, e também, o que penso sobre Ele. Já vou adiantando, não tenho pretensão de revelar verdades, e sim o meu olhar do assunto, apenas. Aos religiosos fervorosos e interessados que, por ventura lerem este post, estão convidados a debater, só peço respeito, afinal, religião é algo pessoal e cada um tem o direito de crer no que desejar.

Deus e Homem
Imagem retirada deste blog.

Ao meu ver, Deus não está lá em cima, enquanto os homens estão aqui embaixo. Afinal, na própria Bíblia diz que o homem foi criado a imagem de Deus. Como Deus é perfeição, acredito que a essência do homem também o é.

Deus é a força criadora, a Mente idealizadora que criou todas as coisas do céu e da terra com o poder da Palavra. E, como Ele nos presenteou com o habilidade de utilizar a Palavra, também temos essa capacidade.

A relação entre Deus e homem é a mesma entre fonte luminosa e luz. Somos todos uma extensão de Deus, e somos capazes de manifestar a perfeição dEle. Assim como, herdar toda a provisão infinita. Todavia, muito podem argumentar que o homem é um pecador, pois muitos deles cometem atrocidades como roubar, matar e prejudicar o próximo.

A princípio parece verdade que esses fatos ocorram. Mas digo que essa imagem de pecador não passa de ilusão. Uma manifestação errônea da Imagem Verdadeira dessas pessoas. Na verdade, lá no fundo (na sua essência real), todas as pessoas são perfeitas e maravilhosas. Se enxergarmos isso no próximo, com certeza estaremos ajudando a manifestar essa perfeição.

Todas as coisas foram criadas por Deus, sendo Deus perfeição, tudo o que ele criou também é perfeição, afinal, não tem como uma existência perfeita errar. Deus criou o homem, portanto, ele é perfeito. Deus não criou o pecado, nem a doença e tampouco a morte, pois essas coisas não são perfeições, por isso, não existem verdadeiramente. Tanto é verdade que, Jesus Cristo trouxe pessoas de volta a vida. Ele jamais contrariaria algo criado pelo seu Pai, provando assim, que a morte não é criação de Deus.

Mas, então porque o homem morre? Muitos podem questionar. Mas nunca foi dito que o corpo material não morre, o que foi discorrido é que o homem não morre, e o homem não é o corpo, e sim sua essência. Se o ser humano fosse seu corpo material, e se este é a imagem e semelhança de Deus, então Ele também seria algo material. Sendo assim, por que não o detectamos com os nossos cinco sentidos? A resposta é: porque Ele não é uma existência material, e sim uma Essência (muitos chamam de Espírito, outros de Energia), portanto, o homem também o é, e não o seu corpo carnal (que é apenas uma “veste” do homem verdadeiro, um instrumento para poder estudar na “escola” chamada mundo material.).

O que faz manifestar no mundo material o pecado, a doença e a morte somos nós mesmos. Como disse anteriormente, Deus é a força criadora que com sua Mente idealizou e criou todas as coisas. Como somos a imagem de Deus, também temos esse poder de criação. E, assim como Ele o fez, nós também o fazemos com a nossa Mente. Nossas atitudes mentais errôneas criam doença e atraem acontecimentos desagradáveis. Nós somos o que pensamos.

Ao contrário do que muitas religiões pregam, Deus não castiga ninguém, pois Ele é Amor, apenas ama e perdoa seus filhos. Ele sabe que o pecado não existe. Os pecados cometidos são apenas ilusões criadas por mentes de pessoas que desconhecem a Verdade. Deus é Amor, é Sabedoria, é um Ser Magnânimo e Compreensivo. Não julga ninguém, apenas ama incondicionalmente. Não devemos temê-lo.

Dizer que nós somos imperfeitos e pecadores é o mesmo que duvidar da perfeição de Deus, pois foi Ele quem nos criou e disse no final de sua criação que tudo estava muito bom.

Porém, ao dizer que somos perfeitos como Deus, não significa que devemos nos sentir maiores e que podemos rebaixar os outros. Pois, assim como nós, os outros também são perfeição e, por isso, são iguais a nós. Nunca devemos nos esquecer de que Deus, apesar de grandioso, é humilde. Isso é claro nas atitudes e palavras de Jesus Cristos (recomendo a leitura da coleção “Mestre dos Mestres” de Augusto Cury, ele analisa a vida de Cristo numa perspectiva não religiosa).

Porém, muitos podem argumentar que não parecemos perfeitos, já que cometemos erros. O que pode ser verdade, mas isso ocorre exatamente por não agirmos/pensarmos em conformidade para que tudo seja perfeito. Isso é como fotografar uma flor com uma lente suja. A flor está lá, perfeita! Mas, a foto não sairá assim, por conta da sujeira da lente. Essa sujeira são as ilusões decorrentes de pensamentos e atitudes errôneas, que são contrárias à perfeição original.

A melhor forma de manifestarmos nossa Imagem Verdadeira, é compreender a nossa verdadeira essência e agir em conformidade com a vontade de Deus. A vontade de Deus é o crescimento espiritual infinito de todos. O nosso crescimento material é consequência de nossa evolução como ser humano.

Os que não agem em conformidade com a vontade de Deus, ao contrário do que muito acreditam, não são castigados por Ele. Mas deixam de receber a provisão infinita dEle, não por castigo, mas por não estar receptivo a essas provisões. Na verdade, apenas colhem o que plantaram.

A maior prova de que o pecado não existe, e que Deus é compreensivo para com os equívocos de seus filhos, é a existência de Jesus Cristo, que com suas palavras e com a cruz fez desaparecer o pecado da humanidade; assim como todos os Budas fizeram remir todos os pecados; assim como, Masaharu Taniguchi, através de seus manuscritos também fez com que o pecado voltasse ao seu nada original. Essas pessoas iluminadas vem ao mundo para nos lembrar da Verdade de que somos filhos de Deus perfeito, e que devemos agir como tal, caso contrário, não conseguiremos manifestar devidamente nossa perfeição e, consequentemente, sofreremos.

Digo isso, mas essa Verdade está escrita em vários lugares, e foi dita por diversas pessoas que marcaram a história (vide Einstein, por exemplo), só que com perspectivas diferentes. Recomendo a leitura de “O Segredo” da Rhonda Byrne, que menciona vários nomes da história da humanidade que falaram sobre esta mesma verdade, de formas diferentes.

Eu sou simpatizante da filosofia SEICHO-NO-IE. Por isso, minha visão sobre a relação entre Deus e homem é bastante semelhante à desta. O que escrevi aqui é apenas minha visão sobre Ele.

Quem quiser perguntar algo, acrescentar ou discordar, fiquem à vontade! Meu intuito é debater, conhecer novas visões e alimentar o meu acervo filosófico. Só peço respeito em relação à minha crença e às demais religiões.

Bom, por hoje é só!

E nunca se esqueçam! O maior de todos os tesouros são os seus sonhos!

Abraços!

Sexo é pecado?

Post escrito originalmente em 18 de novembro de 2015.


Olá pessoas! 🙂 Como estão?

Hoje falarei sobre um assunto meio polêmico, ou talvez nem tanto, para a mentalidade comum atual… xD A relação sexual é um pecado?

Sexo é pecado?
Foto retirada deste site.

Primeiramente, vamos definir pecado. De forma sucinta, é toda violação de um preceito ou norma. Em geral, refere-se às religiosas.

Bom, sexo acho que não preciso definir…. Mas, por via das dúvidas, resumo tudo dizendo que é a relação entre dois indivíduos (falo do convencional, ok? xD) da mesma espécie, cuja finalidade é a reprodução, tendo como principal característica o prazer mútuo (depende da espécie).

Segundo os preceitos de muitas religiões, o ato sexual antes do casamento é considerado um pecado, tendo como consequência o julgamento/castigo divino. Mas será que é assim mesmo?

Inicialmente, vamos analisar o motivo de esta “regra” religiosa existir. Pelo senso comum, casa-se quando se encontra a pessoa a quem se ama verdadeiramente, e com quem deseja-se estar por toda a vida. Estas condições são as mesmas (e são essenciais) dentre duas pessoas, ao se praticar o sexo (ou deveriam ser). Creio eu, que seja por isso que esta “regra” foi imposta.

No entanto, vemos nos dias atuais o casar e divorciar tornando-se algo corriqueiro. Então pergunto-me se este preceito ainda é valido.

Ao meu ver, a relação sexual é saudável, e deve ser praticada. A questão mais importante não é essa. O ponto principal é: com quem. Não é certo sair fazendo a torto direito. Embora, sabe-se muito bem que atualmente, conseguir um(a) parceiro(a) sexual é bem fácil. Nas baladas e bares, principalmente, é bem comum, graças às “ficadas” e “rolinhos“, todos relacionamentos sem sentimentos profundos. Sem contar com a desvalorização da mulher por ela mesma (não estou generalizando, existem muitas exceções, mas este já é outro assunto.).

Então indago, esse tipo de relação é correta? Praticar o ato íntimo com alguém que mal conhece direito (às vezes nem se sabe o nome) só para obter prazer próprio é um ato aprovável?

Em minha opinião, não. Eu considero isso como pecado, por vários motivos:

  1. Nesta situação, um apenas está usando o outro como objeto de prazer e satisfação própria. Atitude tipicamente egoísta. Não há mínima união espiritual, nem sentimental. Apenas carnal.
  2. É uma grande mentira. O sexo é uma relação na qual um diz para o outro “amo você” e “teu corpo é meu corpo, meu corpo é teu corpo“. No entanto, nesta situação descrita, isso é verdade só durante uma (ou algumas) noite(s). Além dos corações não estarem unidos.
  3. Desvaloriza a si próprio. Em outras palavras, teu corpo pode ser possuído por qualquer um(a) que seja capaz de te seduzir. Quando encontrar a pessoa ideal, ela não saberá se ela(e) é apenas mais um(a) ou se é algo mais sério.
  4. Desvaloriza o próximo. Ou seja, não está vendo o próximo como humano, com sentimentos, pensamentos, desejos, medos, etc., apenas um instrumento de satisfação.
  5. Há grandes riscos, como: doenças, gravidez indesejada (que resulta em um outro problema que envolve a vida de um novo ser), etc.

Existem os que retrucam, dizendo que isso não é pecado, pois estão “doando” prazer ao próximo. Ao meu olhar, isso é apenas uma desculpa. O chamado sexo casual nunca é feito por caridade, e sim por desejo/excitação próprio. Caso contrário, as chamadas “periguetes” e os “garanhões” seriam os maiores santos ou divindades, por distribuírem prazer aos próximos (mas não são!).

Há quem diga, também, que durante uma transa casual, seu maior objetivo é ver a expressão de satisfação da parceira(o). Isso pode até ser verdade, mas certamente, não é a principal motivação de se realizar o ato. Aliás, ver a(o) outra(o) sentindo prazer, é por si só um estímulo para a excitação própria. Além disso, é uma forma de alimentar seu próprio ego. Conseguir faze-la(o) gozar é uma forma de se afirmar, dizendo que é bom de cama, mesmo que não diga isso explicitamente.

Resumindo, não há amor verdadeiro em seu ato. E, como poderia haver? O próprio “nome” já diz, é algo casual, não tem propósito algum (além do prazer).

Então, quando que o sexo não é pecado?

Sexo é pecado?
Sexo é pecado? – Montagem minha. A foto do casal foi retirada deste site (CUIDADO! Proibido para menores!). As chamas são destes dois sites: 01 | 02

É simples! A resposta já está implícita acima. Quando há amor verdadeiro!

Então, costuma-se questionar: “Mas não tem como saber se a companheira(a) atual vai ficar comigo para sempre!”. De fato! No entanto, fazer sexo com amor não é a certeza do relacionamento eterno. Mas sim que, naquele momento, o sentimento de ambos seja sério, o de querer ficar juntos para sempre. Um amor genuíno.

Todavia, não vale dizer que tem a intenção de ficar para sempre com cada moça(o) bonita(o) que encontrar por aí. Isso não é amor! É desejo, é atração, é tesão, é qualquer coisa! Mas não é amor!

Mesmo que futuramente, o relacionamento termine, o sexo foi feito com sentimento de união espiritual. Corpo e alma se tornando um e desfrutando de um prazer apaixonante. Com a vontade recíproca de quererem viver juntos o resto da vida. Não é esse o sentimento de um casal casado? (ou, deveria ser?).

No entanto, atualmente não é bem assim. Muitos casamentos são realizados sem amor. Confunde-se amor com paixão ou desejo e, assim, precipitam-se. Existem casados sem amor, assim como enamorados com amor. Por isso, creio que estar casado não é mais um requisito para se realizar o ato sexual.

(Atenção! Não estou dizendo que o casamento não é mais necessário! Pelo contrário, é algo lindo de se realizar! Mas, ele deve ser feito quando há a certeza de um recíproco e genuíno amor.).

Para meu entender, o principal requisito é um amor tão grande, que se tenha vontade de ser um com ela. Aquela que quando a gente abraça, ainda não se sente suficientemente próximo dela, querendo mais. Esta certeza de que, aconteça o que acontecer, querer estar com esta pessoa. Repito, mesmo que isso não aconteça no futuro, mas se este sentimento existir no presente, e se a determinação de querer fazer dar certo for real, então o sexo não é pecado, e sim uma manifestação de puro amor, sendo a coisa mais valorosa e maravilhosa deste mundo, o amor mais supremo que um casal pode manifestar.

No entanto, para ter este sentimento, não tem como fazer logo após conhecer a(o) parceira(o). É preciso um período de namoro. Conhecer bem é importante, inclusive para ter uma relação melhor. Sem contar a cumplicidade, que é essencial!

E tem mais, fazer amando e sendo amado(a) com sinceridade, é muito mais gostoso, sem dúvidas. Afinal, o picante é um dos sabores do amor.

Aprofundando mais o assunto, existem várias “modalidades” desse tipo de relação, além de muitas e muitas posições diferentes. Creio eu, que isso também não seja pecado. Isso é algo particular do gosto do casal. Se ambos acharem que devem praticá-los, ótimo! Mas se um dos dois não se sentir bem com qualquer ato desses, então é melhor respeitar.

Todavia, para mim, a criatividade é algo muito positivo, inclusive na cama. Isso inova, torna as coisas mais interessantes, e evita que isso se torne algo monótono, ou repetitivo. Na verdade, isso vale não só entre quatro paredes, mas também no dia a dia do casal. É aí que entra o ser em extinção, chamado romantismo. Dá para ser romântico até na intimidade!

E, por fim, voltando ao pecado, não acredito que Deus castigue e condene qualquer tipo de erro humano. Deus é Amor, é Perdão. Ele sempre irá perdoar Seus filhos, e jamais irá castigá-los. O que pode acontecer, segundo a magnífica lei Natural que Ele criou, chamada Lei da Atração (ou Lei Mental), é colhermos o que plantamos. Portanto, ao usar alguém, certamente serás usado (não necessariamente no mesmo aspecto que usastes o próximo), e isso não é punição, e sim a colheita do próprio plantio.

Bom, está aí minha opinião! O assunto é vasto e possui diversas opiniões. Mas, por hoje encerro aqui!

E nunca se esqueçam! O maior de todos os tesouros são os seus sonhos!

Abraços!