Sobre a Cura Energética/Espiritual

Olá queridos e queridas! 🙂 Como estão?

Na postagem de hoje vou discorrer sobre a minha percepção da cura energética/espiritual. Não falarei sobre as operações espirituais, que é um assunto distinto, apesar de estar relacionado.

A Cura Energética!
A Cura Energética! – Imagem retirada deste Twitter.

Antes de começar, um aviso importante: estou escrevendo para as pessoas que possuem o interesse no assunto, não estou aqui para ditar verdades e, nem convencer ninguém de que esse tipo de cura existe. Estou escrevendo isso de antemão, pois, sei que há muitas pessoas que não acreditam nisso (o que não há problema algum), e se incomodam com quem acredita e discorre sobre o assunto (o que também não tem problema, desde que não venha desrespeitar quem acredita e/ou sabe da existência disso).

O que se tem como senso comum sobre o assunto, é que o enfermo que vai pedir ajuda a um médium é “curado” simplesmente indo ao encontro deste e recebendo a bênção, ou qualquer outro tipo de ritual, tem a “cura” rápida de seu problema. Muitas vezes, o trabalho é feito gratuitamente, sendo uma demonstração de autodoação por parte do médium. Todavia, quando o trabalho é remunerado, é válido também. Ao decorrer desta postagem, dará para entender o quanto essa troca é justa.

O que poucos sabem, incluindo até os próprios curandeiros, é que eles estão puxando a enfermidade para si, por isso, ocorre a aparente “cura”. Não tem como fazer uma doença desaparecer, afinal, não se pode destruir energia (Lei da Conservação da Energia).

Energia? Sim! A doença é um estado vibracional, portanto, energia. O médium apenas puxa essa vibração má qualificada para si, e isso se manifesta de alguma forma na vida deste, seja como algum sintoma (não necessariamente os mesmos da doença puxada), seja por algum acontecimento negativo em sua vida ou na de familiares.

Quem tem consciência desse fato, sempre busca uma forma de liberar esta energia puxada. Cada pessoa deve buscar seu próprio meio de liberar isso. Seja mentalmente, ou através da regurgitação, outros suam muito, ou choram, enfim, existem várias maneiras de descarregar e/ou transmutar essa energia densa.

Caso não se libere e acumule energias desse tipo, “curando” muitas pessoas, o médium pode sim ficar doente e, se nada fizer, pode custar-lhe a vida.

O processo para “curar” energeticamente uma pessoa, é um pouco mais complexo do que se imagina. Mas, antes de explicar isso, acho interessante discorrer sobre o que de fato são as doenças.

As enfermidades nada mais são que a manifestação de algum pensamento ou sentimento guardado no cerne do indivíduo, podendo ser algo até inconsciente. Não raramente é algum rancor, raiva ou ódio nutrido e escondido, podendo ser também alguma tristeza, mágoa, frustração, trauma, medo, etc.. Resumindo, algum sentimento negativo. Pode-se dizer que é uma forma de nosso corpo nos alertar de que há algo errado em nossa posição mental/sentimental/emocional.

Transcrito essa informação, posso explicar também, o motivo de eu ter usado aspas na palavra “cura” (e seus derivados) anteriormente. Se a pessoa criou a sua enfermidade com pensamentos e sentimentos, mesmo que um médium puxe esta para si (independentemente de liberar depois ou não), trazendo uma “cura” para a pessoa, se ela não mudar o que causou essa doença, esta pode voltar futuramente ou, pode retornar em forma de algum outro infortúnio, já que a lição que essa adversidade veio para ensinar, não foi aprendida.

Percebem como isso se torna algo sem sentido. Vou exemplificar para ilustrar: imaginem que Fulano contraiu uma grave doença e, depois de ser desenganado pela medicina convencional, resolveu recorrer para a espiritualidade. Então, Fulano encontra um médium que é capaz de curá-lo, e este o faz.

Todavia, essa doença era causada por um ódio muito grande que Fulano guarda por Sicrano. E, apesar de ter sido curado, o ódio não desapareceu, continuou o mesmo. Esse ódio que foi mantido, irá recriar a enfermidade, ou causar/atrair outro tipo de adversidade na vida de Fulano, podendo ser um acidente, ou o surgimento de alguém que o infernize, etc.

Sendo assim, podemos concluir que, esse procedimento só trás sofrimento ao médium, certo? Afinal, ele puxou essa energia densa, a sentiu e sofreu com isso, mesmo se ele souber liberar. E, no final das contas, não resolveu a raiz do problema do paciente.

Para curar energeticamente alguém, é preciso entrar no campo dessa pessoa, sofrer o que ela está passando, para entender o que ocorre no interior dela. Nesse processo, o médium acaba puxando para si essa energia. E, é assim que podemos descobrir, como trabalhar para resolver esta vibração. Em outras palavras, é preciso limpar a bagunça mental/emocional que o enfermo criou para si mesmo, antes de pensar na cura propriamente dita.

Em verdade, a cura verdadeira está em fazer o enfermo tomar consciência de seus sentimentos e atitudes mentais errôneos, para poder corrigi-la. Fazendo isso, a doença começa a desaparecer sozinha. Em casos mais graves, é possível o médium puxar para si (e liberar depois) essa energia densa, para acelerar a cura. Mas isso, só após a cura mental/emocional do paciente. Dessa maneira, ninguém sofre em vão e, o paciente ainda consegue corrigir um aspecto negativo que vinha guardando dentro de si (conscientemente ou não) e, que o estava corroendo por dentro.

A cura energética/espiritual pode ser feita por qualquer pessoa, desde que tenha o conhecimento e o aprimoramento adequado. Obviamente, há pessoas que já nascem com uma facilidade maior para trilhar esse caminho, mas, todos são capazes de fazê-lo. Todavia, é preciso alertar que fazer isso sem o devido preparo, pode ser perigoso.

Por fim, deixarei uma observação: durante toda a postagem eu mencionei a palavra médium, todavia, todas as pessoas possuem mediunidade, embora, em graus diferentes de despertar. Usei esse termo de forma errada, pois, é o mais popular. Na realidade, existem vários profissionais que curam através da energia, como o terapeutas energéticos, quânticos, reikianos, benzedores, etc.. Cada um do seu jeito, estando ligado ou não a alguma religião, mas, sempre trabalhando com a energia de forma amorosa (outro fator importante). Talvez o Reiki seja um pouco diferente, ainda não tenho propriedade para falar sobre isso.

Antes de encerrar de fato, quero lembrar mais uma vez, que esta é minha percepção do assunto, baseado no que já vivenciei, e no que aprendi na prática com pessoas de minha confiança. Ainda estou aprendendo, e já experimentei dores e sofrimentos de terceiros, por isso, sei que não é nada fácil. Então, em prol de que outros não sofram em vão, na tentativa de curar o próximo, é que estou escrevendo esta postagem. Antes de curar usando a energia, é preciso curar o mental e emocional do enfermo antes (ah! Obviamente, podemos usar a energia para fazer o outro sentir-se melhor, aliviando tensões e o estresse, por exemplo, o que é válido também, e não se enquadra na condição que descrevi durante a postagem, sendo outro assunto.).

Por hoje é só!

E nunca se esqueçam! O maior de todos os tesouros são os seus sonhos!

Abraços!

Nada acontece por acaso

Post escrito originalmente em 10 de fevereiro de 2016.


Olá a todos! 🙂 Como estão?

Hoje posto algo que recebi por e-mail de meu pai há um tempão. É uma historinha, que possui uma verdade maravilhosa.

Nada acontece por acaso
Nada acontece por acaso – Imagem retirada deste site.

Nada acontece por acaso

“O maior erro do ser humano é tentar tirar da cabeça aquilo que não sai do coração…”

Um dia, um rapaz pobre que vendia mercadorias de porta em porta para pagar seus estudos, viu que só lhe restava uma simples moeda de dez centavos e tinha fome.

Decidiu que pediria comida na próxima casa. Porém, seus nervos o traíram quando uma encantadora mulher jovem lhe abriu a porta.

Em vez de comida, pediu um copo de água. Ela pensou que o jovem parecia faminto e, assim, lhe deu um grande copo de leite. Ele bebeu devagar e depois lhe perguntou:

– Quanto lhe devo?
– Não me deves nada. – Respondeu ela.

E continuou:

– Minha mãe sempre nos ensinou a nunca aceitar pagamento por uma oferta caridosa.

Ele disse:

– Pois te agradeço de todo o coração.

Quando Howard Kelly saiu daquela casa, não só se sentiu mais forte fisicamente, mas também sua fé em Deus e nos homens ficou mais forte.

Ele já estava resignado a se render e deixar tudo.

Anos depois, essa jovem mulher ficou gravemente doente. Os médicos locais estavam confusos. Finalmente a enviaram à cidade grande, onde chamaram um especialista para estudar sua rara enfermidade. Chamaram o Dr. Howard Kelly.

Quando escutou o nome do povoado de onde ela viera, uma estranha luz encheu seus olhos.

Imediatamente, vestido com sua bata de médico, foi ver a paciente. Reconheceu imediatamente aquela mulher. Determinou-se a fazer o melhor para salvar aquela vida. Passou a dedicar atenção especial a aquela paciente.

Depois de uma demorada luta pela vida da enferma, ganhou a batalha.

O Dr. Kelly pediu a administração do hospital que lhe enviasse a fatura total dos gastos para aprová-la. Ele a conferiu, depois escreveu algo e mandou entregá-la no quarto da paciente.

Ela tinha medo de abri-la, porque sabia que levaria o resto de sua vida para pagar todos os gastos. Mas, finalmente abriu a fatura, e algo lhe chamou a atenção, pois estava escrito o seguinte: ‘Totalmente pago há muitos anos, com um copo de leite. ass.: Dr. Howard Kelly’.

Lágrimas de alegria correram dos olhos da mulher, e seu coração rezou assim: ‘Graças meu Deus porque Teu amor se manifestou nas mãos e nos corações humanos.’

Uma pequena história comovente, né? Não sei se é verídica ou não, porém, é verdade que todo o bem que praticamos, nos retornará multiplicado. O próprio Jesus Cristo disse isso: “Dai e ser-vos-á dado”.

No entanto, muitos esperam que o retorno venha pela mesma via em que foi dado. Porém, isso nem sempre acontece. Ao fazermos um bem, não necessariamente os frutos colhidos manifestar-se-ão através da mesma pessoa a quem beneficiamos (como aconteceu na historinha). Na grande maioria das vezes, a recebemos nos momentos e pelas pessoas ou meios mais inesperados possíveis.

Todavia, praticar o bem visando a “recompensa“, já anula o bem realizado. Na verdade, não podemos considerar isso como um ato benéfico, já que há segundas intenções egoísticas (o retorno). A bondade deve ser praticada de coração, com o sentimento de ajudar e tornar feliz o próximo. Simples assim. Na verdade, é esse sentimento que atrai as coisas boas para a vida. Se esse sentimento estiver corrompido, pelo objetivar da recompensa, então não é mais um sentimento altruísta. Em outras palavras, isso só poderá atrair coisas que combinam com o egoísmo, cobrança e perdas.

Outro ponto desta citação, talvez o principal, é que a vida nos dá muitas oportunidades. Cada pessoa com quem cruzamos é uma delas. Talvez seja para aprendermos algo com ela, ou para ensinarmos algo, ou para ajudá-las, ou para nos ajudarem. Isso tudo é algo que acontece naturalmente, sem que as pessoas envolvidas percebam que estão aprendendo ou ensinando. Não há como saber isso, e nem devemos nos encucar com isso. Todavia, é importante estar atento na lição/ajuda que algumas pessoas estão nos dando (sim, muitas vezes não notamos e seguimos em frente assim mesmo, desperdiçando a oportunidade).

Da mesma forma, é importante estar atento para ajudar quem está precisando, já que futuramente possa ser nós a estar necessitando de algum auxílio.

Outra “lição” que vejo nesta historinha, é que nunca sabemos o que a vida nos reserva, embora seja nós mesmos que escrevemos a história de nossas vidas, sempre pode haver imprevistos. Por isso, jamais devemos desprezar ou menosprezar uma pessoa. Como dizem, o mundo da voltas. Tratando todas as pessoas com amor sincero, preocupando-se com elas e, ajudando-as sempre que possível, a recíproca se tornará verdadeira em momentos de crises. Todos o ajudarão e se importarão com todo o prazer.

Talvez há quem questione isso dizendo algo como: “Eu ajudei Fulano, mas quando precisei ele me deu as costas.”. Mas na própria afirmação já notamos o problema da questão. Ao dizer “eu ajudei”, é como se estivesse cobrando o retorno, ou o pagamento da ajuda oferecida anteriormente. E nisso, está implícito um sentimento egoísta. Como discorri acima, não foi uma ajuda sincera, pois se fosse, não seria cobrada posteriormente.

Penso eu que, aquele que se doou realmente, nem se lembra disso depois, pois não considera isso algo grandioso (embora seja), é um ato natural. É como na historinha! A mulher nem se lembrava do Howard, afinal não o reconhecera, apesar de ele ter sido seu médico durante todo o seu tratamento. Ela apenas recordou quando leu sobre o copo de leite na notinha que ele escrevera. Resumindo, ela entregou o copo de leite para ele, pois percebeu sua carência e quis fazer algo para ajudá-lo. Jamais pensou em cobrar o retorno depois, ou melhor, até se esquecera do próprio ato de bondade.

Todos nós apenas colhemos o que plantamos. As sementes são as palavras que usamos (seja via pensamentos, voz alta, ou escrita), os nossos sentimentos e atitudes (seja físicas, ou mesmo em nossa imaginação/pensamentos). Tudo em que concentramos é uma semente que plantamos, e isso é algo que poucos percebem na prática.

Alguns exemplos simples de sementes que plantamos no dia a dia, e nem nos damos conta:

  • Expressão facial – deem uma volta na cidade, reparem nos rostos das pessoas. A grande maioria anda com uma expressão carrancuda, séria, irritada, dura. Isso é uma semente que plantamos. Reparem que as pessoas felizes possuem uma fisionomia sorridente, mesmo quando estão sérias.
  • Conversas – quando conversa com alguém, sobre o que vocês falam? Falam de outras pessoas? Conhecidos? Artistas? Ou dos personagens da novela ou filme? Reparam nas pessoas que estão passando? O que falam delas? Elogiam? Ou criticam? Falar bem, ou mal das pessoas é uma semente, e dará frutos, mas, não para a “pessoa-alvo”, e sim para si mesma. E isso é válido para qualquer tipo de assunto. Fale sobre doenças, e é isso que atrairá para si! Fale sobre prosperidade e assuntos prósperos, e assim você será!
  • Pensamentos – Quando está só, caminhando ou fazendo algo no “piloto automático“, o que você pensa? Fica martelando os problemas? Relembrando as experiências que o deixaram triste ou irritado? Ou preocupa-se com adversidades que poderá enfrentar no futuro? Se sim, estás plantando exatamente essas sementes na horta da sua vida. Não seria melhor pensar nas pessoas que ama? Naqueles acontecimentos alegres, que o fizeram morrer de rir? Ou ficar imaginando/sonhando coisas agradáveis? Por exemplo, o que faria se ganhasse R$3.000.000.000,00 amanhã? Ou se encontrasse aquela alma gêmea que sempre sonhou? Ou, o que faria ao realizar a viagem de seus sonhos? Para onde iria primeiro? O que faria? Da mesma forma que na situação anterior, estarias plantando estas sementes! (E, ao meu ver, isso dará frutos bem mais agradáveis).

Esses são alguns exemplos de coisas do cotidiano de qualquer um, que, se prestarmos atenção e mudarmos, pode fazer toda a diferença no futuro.

Desviei-me um pouco do assunto, embora acredite que esteja intrinsecamente ligado com a historinha, onde a mulher só colheu o que ela plantou anos antes, ao dar um copo de leite à Howard.

Concluindo, pratiquemos mais o bem espontâneo! Falemos, pensemos e sintamos mais as coisas boas da vida! Sonhemos mais com um futuro maravilhoso e feliz! Isso sem dúvidas, trará magia para a própria vida.

Por hoje é só!

E nunca se esqueçam! O maior de todos os tesouros são os seus sonhos!

Abraços

Para mudar a Vida

Olá queridos e queridas! 🙂 Como andam?

Hoje estou a compartilhar sobre um detalhe que pode mudar a vida! É algo que minha razão já sabia há tempos, mas, que estou entendendo com o coração de forma gradual. A inspiração veio do vídeo “ASSISTA!!! SUA VIDA NUNCA MAIS SERÁ A MESMA DEPOIS DESTE VÍDEO.“, da querida Cris Brightlight. Recomendo que assistam, pois, esta postagem será um comentário deste:

Quem se identificou? Esse vídeo contém a resposta para a razão de tudo o que dá de errado no nosso dia a dia! Bem como o motivo da Lei da Atração funcionar (ou não).

Precisamos trazer a consciência para os nossos pensamentos e sentimentos, desligando o nosso “piloto automático“. Parem para reparar, quando estamos fazendo algo de nossa rotina, nossos pensamentos voam automaticamente para algum lugar aleatório do passado ou do futuro. Geralmente, são pontos negativos que geram ansiedade, arrependimento, irritação, ou tristeza. Precisamos viver no presente, para receber o presente do Universo.

View this post on Instagram

Do passado, nada podemos receber. São apenas boas lembranças e/ou grandes aprendizados. Do futuro, nada podemos receber. Pois, está sendo construído e, existem várias possibilidades ainda não palpáveis. Somente do presente podemos receber algo. Aliás, não se chama presente a toa! 過去から何も貰えません。ただのいい思い出とか大切な経験だけです。 未来から何も貰えません。まだ作れるものから、そして沢山具象的な可能性がありますから。 現在からだけ何かを貰えることが出来ます。そう言えば、「現在」は英語で「プレゼント」です。プレゼントは貰えるものでしょう! PS: 日本語を間違えたらすみません! #tempo #passado #presente #futuro #passadopresentefuturo #過去 #現在 #未来 #時間 #今

A post shared by DREAM HUNTERS Z (@dreamhuntersz) on

Estando consciente, vivendo no agora, podemos criar o que queremos através do foco no que está bem. Como a Cris disse, tudo é vibração! O Universo responde ao que vibramos, sendo que vibração é sentimento. Sentimos o que vivemos e, estamos vivendo o que pensamos/agimos.

Assim, se ficarmos lamentando o passado, ou nos preocupando com o futuro, estamos pedindo para o Universo nos mandar mais motivos para nos lamentar e/ou preocupar. É aí que entra a dica fantástica da Cris, de determinar como você quer terminar o seu dia. Penso eu que a maioria quer ir dormir feliz, com sensação de que o dia foi maravilhosos (e cada um tem o seu conceito de um bom dia). Então, que tal determinar isso como meta, e focar no como fazer para que o dia termine assim?

Para mudar a Vida - Tudo é vibração!
Para mudar a Vida – Tudo é vibração! – Imagem retirada deste site.

Essa lição passada pela querida Cris é de uma preciosidade sem igual! Vamos nos alinhar com nosso Eu Superior, e começar a mudar nossa vida desde já?

Encerro por aqui, pois, não há muito o que acrescentar de informação nesse vídeo tão perfeito! Que é um grande ensinamento e, ao mesmo tempo, um amoroso puxão de orelha!

E nunca se esqueçam! O maior de todos os tesouros são os seus sonhos!

Abraços!

Quem se ama de verdade…

Post escrito originalmente em 4 de fevereiro de 2016.


Olá a todos! 🙂 Como vão?

Hoje estou repostando uma citação bem legal:

“-QUEM SE AMA DE VERDADE EVITA PENSAR OU VIVENCIAR O PASSADO TRISTE E, QUANDO SE LEMBRA, IMAGINA APENAS COMO EXPERIÊNCIA PARA SUA EVOLUÇÃO;
VÊ DE FORMA FRIA E NATURAL TUDO O QUE ACONTECEU NO PASSADO E PROCURA TIRAR PROVEITO/APRENDIZADO DESSES ACONTECIMENTOS.

-QUEM SE AMA DE VERDADE NÃO GUARDA RAIVA, RANCOR OU RESSENTIMENTO, VÊ TUDO A SUA VOLTA COMO SE FOSSE UM PROCESSO DE AUTOCONHECIMENTO, ESTÁ SEMPRE DISPOSTO A PERDOAR E COMPREENDER EM QUALQUER SITUAÇÃO.

– QUEM SE AMA DE VERDADE NÃO ACEITA SUGESTÕES NEGATIVAS, POLICIA SEUS PENSAMENTOS E PROCURA ANALISAR CADA UM.

(…)”

Texto completo em: Quem se ama de verdade…
Confiram!!!

Acredito que a vida é resumida em Amor. Quem vive em conformidade com este sentimento (em relação a si mesmo, ao próximo, e a todas as coisas deste mundo), encontra a verdadeira Felicidade e herda toda a Provisão dEle.

Quem se ama de verdade...
Quem se ama de verdade… – Foto retirada deste blog.

Muitas pessoas sabem amar aos outros, mas, esquecem de dar amor à pessoa mais importante: que é a si mesmas. O amor próprio difere em muito do ser egocêntrico ou egoísta, que pensa exclusivamente em si. Devemos nos doar ao próximo, porém, respeitando a nós mesmos (nossos limites, nosso bem estar, nossa vontade).

Por hora é só!

E nunca se esqueçam! O maior de todos os tesouros são os seus sonhos!

Abraços!

Sem Etiqueta!

Post escrito originalmente em 4 de abril de 2015.


Olá a todos! 🙂 Como vão?

No post de hoje transcrevo um e-mail que recebi da querida Ry~chan, alguns séculos atrás! ^-^ Aliás, tenho vários e-mails interessantes guardados, não só dela, quanto de várias pessoas. Acho uma pena que as mensagens não sejam mais enviadas por e-mail (era legal, desde que não seja em exagero!), creio eu que seja culpa do Facebook.

Bom, vamos ao e-mail, ele estava em Power Point, apenas peguei o texto, que é meio longo, mas vale a pena.

Sem Etiqueta!
Sem Etiqueta! – Montagem feita por mim, às pressas, com imagens retiradas destes sites: violino; etiqueta; diamante; coração.

“A nota é internacional e diz, mais ou menos assim:

‘Aquela poderia ser mais uma manhã qualquer. Eis que o sujeito desce na estação de metrô de Nova Iorque, vestindo jeans, camiseta e boné. Encosta-se próximo a entrada. Tira o violino da caixa e começa a tocar com entusiasmo para a multidão que passa por ali, bem na hora do rush matinal.

Mesmo assim, durante 45 minutos em que tocou, foi praticamente ignorado pelos passantes.

Ninguém sabia, mas o músico era Joshua Bell, um dos maiores violinistas do mundo, executando peças musicais consagradas, com um instrumento raríssimo, um Stradivarius de 1713, estimado em mais de 3 milhões de dólares.

Alguns dias antes, Bell havia tocado no Symphony Hall de Boston, onde os melhores lugares custaram a bagatela de mil dólares.’

A experiência no metrô, gravada em vídeo, mostra homens e mulheres de andar ligeiro, copo de café na mão, celular no ouvido, crachá balançando no pescoço, indiferentes ao som do violino.

A iniciativa, realizada pelo jornal The Washington Post, era de lançar um debate sobre valor, contexto e arte. A conclusão é de que estamos acostumados a dar valor às coisas, quando estão num contexto. Bell, no metrô, era uma obra de arte sem moldura. Um artefato de luxo sem etiqueta de grife.

Esse é mais um exemplo daquelas tantas situações que acontecem em nossas vidas, que são únicas, singulares e que não damos importância, porque não vêm com a etiqueta de preço.

Afinal, o que tem valor real para nós, independentemente de marcas, preços e grifes? É o que o mercado diz que podemos ter, sentir, vestir ou ser?

Será que os nossos sentimentos e a nossa apreciação de beleza são manipulados pelo mercado, pela mídia e pelas instituições que detêm o poder financeiro?

Será que estamos valorizando somente aquilo que está com etiqueta de preço?

Uma empresa de cartões de crédito vem investindo, há algum tempo, em propagandas onde, depois de mostrar vários itens, com seus respectivos preços, apresenta uma cena de afeto, de alegria e informa: ‘Não tem preço’.

E é isso que precisamos aprender a valorizar. Aquilo que não tem preço, porque não se compra.

Não se compra a amizade, o amor, a afeição. Não se compra carinho, dedicação, abraços e beijos. Não se compra raios de sol, nem gotas de chuva. A canção do vento que passa sibilando pelo tronco oco de uma árvore é grátis.

A criança que corre, espontânea, ao nosso encontro e se pendura em nosso pescoço, não tem preço. O colar que ela faz, contornando-nos o pescoço com os braços não está a venda em nenhuma joalheria. E o calor que ela transmite dura o quanto durar a nossa lembrança.

O ar que respiramos, a brisa que embaraça nossos cabelos, o verde das árvores e o colorido das flores nos é dado por Deus, gratuitamente.

Pensemos nisso e aproveitemos mais tudo que está ao nosso alcance, sem preço, sem patente registrada, sem etiqueta de grife.

Usufruamos dos momentos de ternura que os amores nos ofertam, intensamente, entendendo que sempre a manifestação do afeto é única, extraordinária, especial.

Fiquemos mais atentos ao que nos cerca, sejamos gratos pelo que nos é ofertado e sejamos felizes, desde hoje, enquanto o dia nos sorri e o sol despeja luz em nosso coração apaixonado pela vida.”

(Texto de Ana Maria Jr., a partir de comentários de Willian Hazlitt, que circula na internet.).

Joshua Bell
Joshua Bell – Imagem retirada deste site.

Este texto, apesar de já ter alguns anos, continua atual, pois ainda vivenciamos, talvez ainda mais do que naquela época, a valorização das marcas. Muitos dão importância em demasia para elas. Uma marca de grife renomada e reconhecida agrega valores aos produtos/serviços, sem dúvida. E, não há mal em reconhecer isso. No entanto, o problema está no foco. Será que não se foca demais no valor das marcas? E, assim, não se está esquecendo de reparar em outros tesouros mais importantes?

Eu, particularmente, não ligo muito para marcas, por isso, não compreendo muito bem como a maioria pensa/sente em relação a estas. No geral, não me importo muito quais marcas são famosas e chiques, e quais são menos conceituadas. Consumo as coisas de que eu gosto, independentemente de sua etiqueta.

No entanto, como diz o texto, as preciosidades mais essenciais em nossa vida não possuem preço, nem marca. Seu valor é tão alto que é inestimável, embora possamos ter gratuitamente. Apesar disso, muitas vezes não reparamos nestas “valiosidades”. O caso contado no início do e-mail é um excelente exemplo.

As pessoas que foram assistir Joshua Bell no Symphony Hall, será que elas realmente apreciam sua música? Será que elas fecham os olhos para sentir as ondas de sentimentos que elas passam? Ou foram lá só porque é um famoso violinista, e por ser uma apresentação cujo preço do ingresso era alto sendo algo chique? Ou seja, por conta da “etiqueta de marca” que representava aquela apresentação?

Claro, estou questionando isso, porém, sei que existem os que amam a música, o violino e/ou são fãs de Joshua Bell.

Quando este mesmo músico tocou no metrô, pergunto-me se alguém que estava em sua cara apresentação passou por lá sem reparar nele. E, mesmo em relação às demais pessoas que transitaram pelo local, imagino eu que algumas delas apreciem o tipo de música que ele tocou, porém, porque ninguém notou?

Isso é algo que deveríamos nos preocupar. Cada pessoa está tão focada em si mesmo, que acaba não enxergando o seu redor, e isso inclui as pessoas que nos são importantes. Quantas pessoas não se concentram tanto no trabalho que esquecem-se da família, cônjuge, amigos? Percebendo o vazio deixado somente quando perdem estas inestimáveis pessoas?

Acredito que é importante parar um pouco, reparar no que há ao redor: as pessoas, a paisagem (seja natural ou urbana), o céu, as flores, os sons (a música de um violinista famoso tocando no metrô, por exemplo), etc. Praticar mais o sentir, ao invés do pensar.

Devemos atentar mais para quem nos é importante, se interessar mais por elas, saber se estão bem, se estão com problemas, se têm sonhos, quais são seus medos, tristezas, traumas. Será que a pessoa mais importante de sua vida não está precisando de um abraço, e você, por estar ocupado com o trabalho/estudo/ou qualquer outra coisa, não está notando?

Esforçando-se no trabalho, é possível enriquecer e comprar todas as melhores coisas do mundo, das melhores marcas! No entanto, além de poder prejudicar a própria saúde, não trará a felicidade, nem para si, nem para quem se ama, pois nem a joia mais cara e nem os produtos melhores conceituados do mundo substituem a companhia de quem amamos. Empenhar-se para dar uma vida confortável à família é uma atitude louvável, desde que não o(a) tire da companhia da mesma.

Outro ponto que o texto aborda brevemente também, é sobre a manipulação dos sentimentos e comportamentos pela mídia/mercado. De fato isso ocorre, assim como em relação ao “padrão de beleza“, que nos é imposto. No entanto, não atribuo a “culpa” desse fato à mídia somente, mas também às pessoas que se deixam influenciar. Penso eu que é preciso se conscientizar e filtrar o que a mídia nos joga. Ainda mais nos dias atuais, onde a quantidade de informação é colossal, graças à internet. É preciso destacar em nossas mentes o que é realmente importante para si mesmo, e dar prioridade para isso.

As marcas/etiquetas possuem seu valor, sua importância e sua função sim. No entanto, não devemos permitir que a importância desta se sobreponha ao que realmente é valioso para nós. As pessoas que amamos, a beleza das paisagens, a Mãe Natureza e as sensações que Ela nos permite ter, o observar, o ouvir, o sentir, o viver.


CURIOSIDADE:

Um vídeo do teste feito com Joshua Bell:

Durante os 45 minutos em que ele tocou, estima-se que passaram cerca de 1.100 pessoas no metrô. Vinte pessoas chegaram a deixar um dólar para o músico, no entanto, sem parar para ouvi-lo, apenas seis pessoas pararam por uns minutos. Ele coletou 32 dólares.

Quem mais prestou atenção no violinista e sua arte foram as crianças. Porém, as mães acabavam puxando-as sem sequer olhar para ele. As crianças ainda possuem uma percepção e curiosidade peculiar e admirável! Devemos aprender com elas.


Este assunto pode ser expandido, para a forma que as pessoas rotulam tudo, inclusive outras pessoas. Todavia, deixarei para abordar este assunto em uma outra postagem.

Bom, por hoje é só!

E nunca se esqueçam! O maior de todos os tesouros são os seus sonhos!

Abraços!

Agradecendo a Natureza

Post escrito originalmente em 16 de dezembro de 2011.


Olá para todos! 🙂 Como vão?

No post de hoje falarei sobre um importante sentimento! O sentimento de gratidão! Porém, uma gratidão mais específica! Aquela que deveríamos sentir pela Mãe Natureza!

Foto de Elson Diogo Masuzawa.
Foto de Elson Diogo Masuzawa.

Muitos concordam que o ser humano deveria cuidar melhor da Natureza, certo? Todavia, apenas ter essa consciência, por ser o que o senso comum diz ser correto não é o suficiente. Vocês tem o costume de agradecer a Ela? Pelo ar que você respira? Pela água que mitiga a sua sede e lava seu corpo e as nossas coisas? Pela terra onde pisamos, plantamos nossos alimentos e recicla o que não é mais útil? Existem uma infinidade de dádivas maravilhosas para agradecer!

Essas maravilhas essenciais para nossa vida, já estão tão difundidas no nosso dia a dia, que nem sequer consideramos como preciosidades! O que é triste… já que Ela está viva e trabalhando incansavelmente por nós e por todos os que habitam este belo planeta. Todavia, podemos mudar isso! A começar por agradecer todos os dias à Natureza!

Tenho certeza que se a maioria das pessoas fizessem isso, nosso mundo não estaria sofrendo tantas consequências climáticas e ambientais, e viveríamos em um mundo melhor! 🙂 Sem contar que, tendo Amor por Ela, compreenderíamos sua importância, não com a nossa razão, mas sim, com o cerne de nosso Ser, assim, sentiríamos tudo o que a Mãe Gaia sente e, nos solidarizaríamos mais com a mesma.

Esse é o meu singelo recado de hoje para vocês!

Tenho mais uma coisa à postar aqui, mas é para alguém em específico… Portanto, quem não entender, por favor não liguem para isso ^__^:

DICA: 06. Principal elemento para a vida na Terra.

DICA: 07. O assunto desse post é agradecer à ________!

Bom, por hoje é só!! 😉

E nunca se esqueçam! O maior de todos os tesouros são os seus sonhos!

Abraços!

Vivemos em uma Matrix? – Filosofando sobre a existência

Olá a todos! 🙂 Como estão?

Na postagem de hoje irei questionar e filosofar sobre o assunto do título. Será que nós vivemos em uma Matrix?

Vivemos em uma Matrix?
Imagem retirada deste site.

Em 1999, foi lançado um filme que fez muito sucesso, que acabou tornando-se uma trilogia e, posteriormente, uma franquia. Seu nome é “Matrix“. E, desde então, uma teoria que diz que a realidade em que vivemos é virtual se popularizou, sendo inclusive aceitas por alguns cientistas, muito embora, esta teoria já existisse bem antes, sendo chamada de “Hipótese da Simulação“. O canal do YouTube chamado “Fatos Desconhecidos” discorre muito bem sobre essa teoria, de forma resumida:

Para os mais conservadores, essa ideia pode parecer absurda, mas será que é mesmo impossível? Se pararmos para pensar, as coisas podem começar a parecer fazer sentido.

Nós mesmos, já temos tecnologia para criar realidade virtual bem realista, certo? Imaginem se num futuro, com o aperfeiçoamento disto, os seres humanos passassem a entrar nesses mundos virtuais de uma forma tão profunda, que eles mesmos se esquecessem de que tudo aquilo é um jogo? Os avatares dentro dessa realidade virtual, jamais saberiam que estão dentro de um jogo, certo? Pois bem, quem garante que nós não somos um avatar dentro de uma Matrix? Essa analogia não é minha, ouvi no vídeo do canal “COSMOS INTERIOR“, da querida Cris Brightlight, confiram:

Mas, sendo assim, surgem vários questionamentos: Então, nós não existimos? Somos apenas um personagem de jogo? Ou, é igual ao filme, onde vivemos escravizados por máquinas malignas?

Acho que a analogia da Cris (vídeo acima) responde algumas dessas dúvidas. Mas, vou discorrer à minha maneira, como eu imagino que as coisas funcionam, baseado em relatos de pessoas que já estão “despertas” (os hackers da analogia dela), já que eu, infelizmente, ainda quase não tive experiências que me mostrem isso. A própria Cris fez um relato sobre isso:

Imaginem uma Consciência que é Amor infinito e incondicional, ele é onipotente, onipresente e onisciente, portanto, não possui forma, não conhece sentimentos negativos e, apesar de ter a ciência de infinitas possibilidades, não pode se expressar, pois esse ser é tudo, todo e absoluto! Ele é a vibração extrema! – Meu humilde ego, ao imaginar isso, pensou: “deve ser meio monótono viver assim!”.

Então, sendo onipotente, Ele cria uma realidade virtuai (dimensão, se assim preferirem), com vários universos com milhares de galáxias com uma infinidade de estrelas e planetas. Assim, essa Existência de Luz, divide sua essência em inúmeras centelhas e as envia para dentro dessa simulação criada, estando dividido, e “encarnado” em um corpo limitado, ele passa a poder expressar/manifestar toda a sua ciência e Sabedoria. E, cada planeta habitado, como sendo um projeto para vivenciar um determinado tipo de experiência.

Todavia, nessa dimensão criada, ainda vibra-se de forma muito elevada, e os seres que nasceram nessa realidade, ainda possuem consciência de que na sua Essência, eles são aquele Ser perfeito. E, sendo assim, eles ainda não podem ter a experiência de todas as possibilidades.

Para poder realizar isso, eles criam uma nova dimensão (sabendo de sua essência, eles possuem a mesma capacidade onipotente), de vibração um pouco mais densa. Nessa nova realidade virtual, onde também existe universos com planetas e estrelas, a consciência de unidade já é um pouco mais dispersa, e as possíveis experiências que podem ser vivenciadas são em um leque mais diversificado. Além disso, os seres criadores dessa nova realidade, dividem sua essência em muitas centelhas, reduzindo a própria vibração, encarnando em novos corpos. Todavia, ainda assim, existem mais infinitas possibilidades que só podem ser conhecida em realidades ainda mais densas, então faz-se novamente a criação de nova dimensão.

Tal processo, é repetido muitas e muitas vezes, sendo um Matrix dentro de outra Matrix, dentro de outra Matrix, e assim por diante! Até chegar em um ponto que, surgem realidades tão densas (como a nossa), onde os seres que vem para estas já se esqueceram completamente de sua Essência verdadeira. Nessas dimensões densas, passou a existir algo chamado “dualidade” (bem e mal, luz e trevas, certo e errado, bom e mau, alegria e tristeza, prazer e dor, etc.).

Além disso, em alguns poucos planetas dessas realidades mais densas, os seres passaram a contabilizar algo que não existe: o que chamamos de “tempo“. Sim, estou falando de nossa querida Mãe Terra.

Acho que deu para perceber que a Consciência perfeita inicial é o que chamamos mais comumente de Deus (mas, que tem vários outros nomes: Alá, El, Energia, Buda, etc.). E, que nós somos uma centelha da centelha da centelha da centelha …  da centelha desse Deus, e que esquecemos de nossa origem.

Com isso, surge outra dúvida: como assim não existe tempo? Existe ontem, hoje e amanhã! E as horas? Marcamos horários para tudo!

Então… na verdade, tudo está em paralelo, o passado, o presente e o futuro. Sim, o futuro já aconteceu, ou está acontecendo juntamente com o presente! Mas, devido a condicionamentos que viemos sofrendo por gerações, acabamos criando essa percepção de linearidade de acontecimentos, passando a sentir o tempo. Como temos a força criadora do Consciência Divina, então o tempo se concretiza na nossa realidade.

Mas, sendo assim, muitos vão indagar que não existe o livre arbítrio, já que o futuro já aconteceu. Porém, não é bem assim! Na realidade, todas as possibilidades de futuro já existem, somos nós que escolhemos qual vamos vivenciar. E, a forma de escolher está no presente, com os pensamentos, atitudes e, principalmente, sentimentos que carregamos no dia a dia.

Portanto, a força criadora é o Amor, que é um sentimento que, por sua vez, é uma vibração (onda) de energia que tudo cria! E, como estamos numa realidade onde existe a dualidade, então temos o seu inverso, que é o ódio (e, outros sentimentos negativos), que são ondas de vibração mais densas (também é energia). Atraímos o futuro que vibra na mesma vibração de nossos atos. Conseguem reconhecer a Lei da Atração aqui? A mesma descrita por Rhonda Byrne em seu livro “O Segredo“! Que é chamada de Lei Mental, pela SEICHO-NO-IE! Que está intrinsecamente ligada à Terceira Lei de Newton da Física (ação e reação) e do Princípio da Conservação de Energia (energia não pode ser criada e nem destruída, ela apenas se transforma)! E, que resume-se no “Dai e ser-vos-á dado” (Lucas 6:38) de Jesus Cristo!

Aí, pode surgir o questionamento: como é que simples sentimentos podem atrair situações, ou até coisas materiais?

A resposta é bem simples! Nossos sentimentos são energia, assim como nossos pensamentos! As situações também são pura energia de sentimentos dos envolvidos no mesmo. E a matéria é energia condensada (vide este artigo). Com isso, é fácil concluir que se manifestamos energia de Amor, por exemplo, pela Lei da Atração, retornará a mesma energia de Amor (talvez, de forma diferente, já que a ela se transforma), pois elas combinam. Por isso, ao ser solidário com uma pessoa (atitude de amor), muito provavelmente, não receberá o amor dessa mesma pessoa. Ela virá de outro lugar! O mesmo vale com dinheiro, por exemplo: quem doa verdinha despretensiosamente, com o sentimento verdadeiro de solidariedade, não irá receber a prosperidade de quem recebeu, muitas vezes, ela retorna em forma de algum produto, ou de um bom desconto em uma compra, ou em forma de presente de alguém inesperado, e por aí vai!

E, é assim pelo fato de tudo ser Energia! Que, se bem lembram do início da postagem, é aquela Consciência perfeita, de puro Amor, onipresente, onipotente e onisciente! Temos esse mesmo poder de criação, mas, por estarmos em um ambiente virtual denso, tudo é mais lento.

Sem contar que, vivemos dentro de um sistema, que quer limitar de todo jeito o despertar das pessoas. Esse sistema, é o que os teóricos da conspiração costumam chamar de Cabala, ou Illuminati. Eu vejo estes como a Matrix do filme, a entidade controladora e escravizadora (embora, o filme passa outra ideia, a de que essa máquina do mal é que está fora da Matrix, controlando tudo. Sendo que analogamente, esta seria Deus. Mas, lembrem-se que quem produz os filmes é o sistema, e eles querem mesmo que temamos Quem está fora da Matrix). Essa parte, o Pedro Pavanello, do “Canal do PAVA“, explica muito bem, em seu vídeo:

Quem já começou o processo do despertar (expansão da consciência), deve perceber bem o que o sistema faz conosco, tudo (principalmente nas mídias) tem o objetivo de torná-las mais apegadas ao material, ou de colocar medo nas pessoas! Isso pois, o medo é um sentimento denso, e dificulta o despertar. Assim como as músicas (não todas, é claro), que tentam prender-nos a baixas faixas vibracionais, com letras, mensagens subliminares e frequências binaurais. Sempre remetendo à tristeza, amor não correspondido, perdas, bebidas, drogas, sexo promíscuo (obs.: sexo em si, não é denso, desde que haja amor), etc.

MAS, mesmo essas entidades escravizadoras, possuem também a mesma essência de luz que a nossa! São nossos irmãos! Eles apenas estão atuando (como os atores fazem) como o “mal” (da dualidade de nossa dimensão), que na verdade não existe! Todos se esqueceram de sua origem, e estão cumprindo um papel determinado para proporcionar determinadas experiências aos outros (e a si mesmo). Mesmo nossas vivências mais dolorosas, foram escolhidas por nós mesmos antes de perdermos a memória!

Então, certamente, surgirá a questão: mas, quem é que, em sã consciência, iria querer sofrer algo doloroso? Ou passar por sentimentos ruins, como ódio, traição, tristeza, depressão, etc.?

A resposta está no início dessa reflexão! Nossa origem, que é um Ser de Amor perfeito, tem a ciência de que é possível ter esses sentimentos que rotulamos como ruins. Mas, ele não consegue conhecer isso, pois, Ele é puro Amor! Por isso, Ele quer passar por estas experiências (lembrando que dualidade não existe, por isso, não existe o conceito de bom e mau).

Dá para fazer uma analogia com jogos, novamente! Quem nunca jogou um jogo que, a certo nível, não consegue passar de fase, “morrendo” (ou perdendo) várias vezes? Mas, aí você começa de novo, com a convicção “dessa vez eu vou conseguir passar”! O sentimento de derrota, não nos é agradável, mas então, qual a razão de tentarmos de novo? Por que é divertido! Por que queremos saber o que tem nas próximas fases! Por que queremos experimentar o sentimento de vitória sobre essa adversidade! Então, é a mesma coisa!

Portanto, todo tipo de adversidade que passamos por aqui, pode ser vencida! Inclusive doenças (que, a princípio, também não existem!). E, o segredo para vencermos, é escolher sempre a vibração do Amor! Isso, não só para conseguirmos ter uma vida melhor aqui, nessa Matrix, mas, também, por já estar na hora de retornarmos para Casa, lembrando-nos de nossa origem! Tanto que, para isso, estão vindo muitas pessoas despertas para nos ajudar com essa lembrança (são os hackers da analogia do vídeo da Cris).

E, como fazemos para acelerar o nosso despertar? É só olharmos para “dentro” de nós mesmos! O sistema nos condiciona a olharmos para o exterior, buscamos tudo o que queremos fora (inclusive o amor). Sendo que, já temos tudo o que precisamos e desejamos, dentro de nós! O que percebemos do exterior é espelho do que temos no nosso interior. É como disse Cristo “Nem dirão: Ei-lo aqui, ou: Ei-lo ali; porque eis que o reino de Deus está entre vós.” (Lucas 17.20-21)

Existem várias formas para se fazer isso, algumas bem simples, como:

Apreciar o silêncio (sente-se confortavelmente, feche os olhos, e curta o silêncio, prestando atenção no que está sentindo, e sem dar bola para os pensamentos. Se eles vierem, deixem eles por aí, não os expulsem, nem lute contra eles!).

– A meditação (que não precisa ser como todos imaginam, sentado em posição de lótus, recitando o mantra OM, rodeado por incenso. Basta sentar ou deitar-se confortavelmente, e mergulhar nos sentimentos e sensações! Pode-se usar mantras – existem outras, além do OM, muitas são de melodia belíssimas! – Ou músicas apropriadas para ajudar!).

– Pode-se fazer o Ho’oponopono (prática originariamente havaiana), que consiste em dizer mentalmente (ou verbalmente, se quiser/puder) repetida e incansavelmente as palavras sinto muito, me perdoe, te amo, sou grato. Tem gente que consegue até se curar de doenças com isso! Além de fazer uma faxina mental geral! A Cris Brightlight fez um série de seis vídeos falando sobre essa prática e a sua experiência, confiram clicando aqui! (Na playlist, está faltando um vídeo após o “HO’OPONOPONO TRADICIONAL“, vou deixar abaixo.).

– Tem o Yoga, que não posso comentar muito, pois, nunca pratiquei, mas que ajuda no expandir da consciência.

Devem existir infinitas outras formas que desconheço, é só dar uma pesquisada na internet ou no YouTube. Mas, cuidado, é sempre bom dar uma filtrada nas informações! Mesmo porque, o assunto é abrangente e puxa muitos outros assuntos interessantes, como outras entidades espirituais, extraterrestres, e por aí vai!

Falando nisso, quero discorrer rapidamente onde entram os E.T.s e os espíritos, nesse esquema todo que eu discorri. Bom, o que chamamos (de forma genérica) de extraterrestres, são seres de outros projetos (planetas), que estão em um estágio diferente, ou seja, possuem vivências distintas das nossas!

Já o plano astral e espiritual, nada mais são que planos próximos do nosso, onde vamos quando dormimos e quando desencarnamos, e são menos densas (não tem matéria como aqui, é um pouco diferente! Tanto que é possível plasmar coisas com a mente), onde é possível ter alguma influência aqui.

Reparem que em momento algum, eu utilizei o termo mais/menos “evoluído“, já que, não existe evolução espiritual! Não estamos evoluindo, e sim, lembrando do que já sabíamos e de quem somos! Portanto, coisas como pecado, o karma e o samsara não existem! São ilusões e, para quem está preso nelas, não conseguem realmente sair! Os verdadeiros grilhões são a nossa própria mente (ou ego), que está em contraposição com a nossa alma (essência).

Bom, para encerrar, quero deixar recomendações de canais de YouTube e sites, para quem se interessar em buscar mais informações sobre a expansão de consciência!

– Adriane Silva | Café Quântico
Site | YouTube | Instagram | Facebook

– Cris Brightlight | COSMOS INTERIOR
Site | YouTube | Instagram | Facebook | Google+

– Joyce Eliza | DESPERTAR com Joyce Eliza
Site | YouTube | Instagram | Facebook

– Érica Lima | Esquecer pra descobrir
Site | YouTube | Instagram | Facebook | Twitter

– Meire J. Costa | Coisas do Astral
YouTube | Facebook

– mxvenus
YouTube

– Nina Rosa | Herança Divina
YouTube | Facebook

– Pedro Bianchini Pavanello | Canal do PAVA
Site | YouTube | Instagram | Facebook | Google+

– Portal D’Águia Fluorita
Facebook

– Somos Todos Mestres (Érica Lima+Cris Brightlight+Joyce Eliza)
Site

Bem, eu não estou nem engatinhando nesse caminho da expansão da consciência, digamos que eu apenas abri os olhos! Mas, com paciência e prática, a gente chega lá!

Por hoje é só!

E nunca se esqueçam! O maior de todos os tesouros são os seus sonhos!

Abraços

Sobre a depressão

Post escrito originalmente em 10 de janeiro de 2013.


Boa tarde, pessoas! 🙂 Como estão?

O assunto de hoje é a depressão. Algo bem sério, mas que é ignorado e, muitas vezes, visto com preconceito pelo “senso comum”.

Depressão
Arte feita por AJGIEL, retirada deste site.

Quero iniciar o assunto de hoje com um trecho do livro de Augusto Cury:

12 Semanas para mudar uma vida
Foto retirada deste site.

“Se você tiver parentes ou amigos com depressão e que estão sem coragem para viver, ouça-os sem criticar. Não lhes dê conselhos superficiais. Empreste-lhes seu coração. Diga a eles que são fortes, que têm uma grande fome e sede de viver. Encoraje-os a se tratar sem culpa.”

(CURY, Augusto. 12 Semanas para mudar uma vida. Editora Academia. página 123)

Não sou psicólogo, nem psiquiatra, por tanto, o que falarei é apenas meu ponto de vista. São palavras e pensamentos de um amador.

Primeiramente, o que é a depressão? Ao meu ver, é o estágio mais extremo de desespero em que a mente humana pode chegar. Causado por algum sentimento ou pensamento negativo intenso. Podendo ser a tristeza, solidão, a frustração, o medo, o trauma, a falta de sentido na vida, etc. A pessoa possui um vazio dentro do peito, algo que ele sente do fundo do coração.

Um dos problemas que a humanidade enfrenta atualmente é a falta de sensibilidade e o excesso de egoísmo/egocentrismo. O pior que se pode fazer a alguém com depressão e dizer que esta é uma “frescura” ou que é “coisa de gente fraca“. Não acredito que seja isso. Pois quem diz isso, nem imagina o que a pessoa deprimida pode ter passado, quais são seus medos e traumas. Elas não conseguem se colocar no lugar da pessoa referida, causando um agravamento na situação do depressivo.

O agravamento de uma depressão pode ser perigoso, pois existe a possibilidade desta pessoa começar a pensar em suicídio.

Acredito que o melhor a fazer, quando há alguém deprimido, é seguir o que Augusto Cury aconselha no trecho que transcrevi acima. Deve-se dar atenção e amor a esta pessoa, deixá-la falar e desabafar tudo o que quiser. Dessa forma, estamos doando nossa energia para suprir o vazio desta. Não se deve criticá-la, mas sim escutá-la e se interessar pelo que ela está falando. Perguntar mais sobre os problemas e sentimentos que ela está contando, para que ela sinta que você realmente está querendo entendê-la, e que ela não está .

Nunca devemos dar conselhos superficiais, ou aquelas respostas convencionais e automáticas que damos em determinadas situações. Pois isso demonstra que você não se importa com ela (pelo menos, não de forma profunda), e não pensa em entendê-la realmente. Passa uma sensação de descaso para com o problema do deprimido.

No fundo, as pessoas depressivas são as que mais desejam viver, e as que mais querem ser felizes. No entanto, por estarem com a autoestima baixa, não conseguem se desapegar dos sentimentos, lembranças e pensamentos ruins do passado. No caso dos que pensam em suicídio, acredito que, inconscientemente, com essa atitude terrível, elas desejam “matar sua dor“, e não a si mesmas. Pois elas, assim como todos nós, desejam viver felizes.

Segundo Augusto Cury, o ideal, ao encontrarmos uma pessoa com depressão, é levá-la a um profissional competente de confiança. Pois, a depressão pode se tornar uma doença complicada.

Como disse no início, não sou profissional da área, sou leigo. Apenas transcrevi o trecho do livro de Augusto Cury e expressei minha opinião sobre o assunto. Espero que este post possa ajudar as pessoas, no sentido de orientá-las a como proceder caso conheça alguém com este problema. Ou, se for alguém com este sofrimento em sua vida, possa se inspirar a procurar ajuda. E, se eu puder ajudar, o faço com prazer!

Por hoje é só! Ótimo final de semana para todos!

E nunca se esqueçam! O maior de todos os tesouros são os seus sonhos!

Abraços!

Confie em sua intuição

Olá a todos! 🙂 Estão todos bem?

Na postagem de hoje, quero discorrer sobre algo que ocorreu comigo por esses dias, e que me ensinou a acreditar e confiar nas intuições que recebemos. O fator decisivo, para a minha iluminação nesta questão, foi um vídeo que assisti da Érica Lima, do canal “Esquecer pra Descobrir” (Youtube | Facebook | Instagram), o qual recomendo muito!

Confie em sua intuição
Confie em sua intuição – Imagem retirada deste site.

O que é uma intuição?

Antes do referido ocorrido, sempre achei que a intuição fosse somente aqueles estalos de ideia, que vinham do nada, como um cutucão na nossa mente, avisando de algo. Pois, até então, quando as tive, foram dessa forma. E assim o é realmente. Todavia, nem sempre as intuições tem essa “cara”.

Muitas vezes, elas aparecem como um pensamento próprio, mas que aparece involuntariamente! Ou, como algo que parece que se sabia, mesmo que teoricamente, não teria como saber. Também, pode vir em forma de sentimentos inexplicáveis, impressões, ou sensações. Enfim, tudo o que percebemos de forma intuitiva, é uma intuição com algum significado. A Érica explica de forma maravilhosa, completa e de muito mais fácil compreensão, confiram:

Acredito que as intuições provém de nossos mentores de luz (que muitas vezes são chamados de anjo da guarda, espíritos iluminados, mentores espirituais, etc.), e sempre com o objetivo de nos ajudar, ou dar algum conhecimento/sabedoria, para nosso desabrochar espiritual.

Sobre o que aconteceu comigo, irei discorrer de forma resumida, pois é algo pessoal. Esses dias, eu sonhei com uma pessoa com quem perdi contato faz anos! Quando acordei, senti nostalgia, mas deixei para lá. Todavia, durante o dia, vira e mexe eu lembrava desta pessoa, e isso estava me intrigando.

Durante a meditação que realizei a tarde, experimentei perguntar o motivo desta estar em minha mente, e segui o fluxo, sem pensar e nem esperar por nada. Um tempo depois, veio-me a lembrança de um outro sonho que tive com a mesma pessoa, na época que mantinha contato com a mesma! No sonho, a gente estava juntos numa casa bonita, acho que era de madeira, em meio a um tipo de floresta. E veio-me um pensamento meu, que apareceu involuntariamente, dizendo o que ela foi para mim nessa minha “outra vida”!

Fiquei na dúvida se era uma intuição, ou só um pensamento aleatório que surgiu. Por isso, resolvi comentar em um dos vídeos do canal da Érica, que falava sobre a comunicação dos mentores conosco. E, alguns dias depois, a mesma gravou o vídeo que está no início da postagem que, para mim, foi a resposta que eu buscava!

Para os que acreditam em energia, tem mais um fato que desejo compartilhar: enquanto assistia ao referido vídeo, senti um formigamento por toda a minha espinha e na região peitoral, que é a energia fluindo, e senti a certeza de que aquilo foi realmente uma intuição.

Por hoje é só! Quero deixar meus agradecimentos à Érica, por sempre gravar vídeos maravilhosos e repletos de Luz, que nos faz tão bem! E, aproveitando, quero mencionar a Cris Brightlight, do canal “Cosmos Interior” (Youtube | Facebook | Instagram | Google+) e a Joyce Eliza do canal “DESPERTAR com a Joyce Eliza” (Youtube | Facebook | Instagram), que também trabalham compartilhando suas experiências e sabedoria, em prol da iluminação do próximo. Minha admiração e gratidão!

E nunca se esqueçam! O maior de todos os tesouros são os seus sonhos!

Abraços!

Proibido para menores de 18 anos

Post escrito originalmente em 22 de março de 2016.


Olá a todos! 🙂 Como estão?

O título chamou a atenção? Esta frase sempre chama, né? Não se preocupem, não postarei nada que deva ser censurado. Mas o assunto desta postagem é exatamente este.

Proibido para menores de 18 anos
Proibido para menores de 18 anos – Arte minha.

Todos sabemos que existem filmes com esta classificação. Assim como alguns lugares como bares, shows e casas. Também existem revistas, livros e sites que são proibidas para os menores; e acho isso corretíssimo! (A questão dos sites é complicado, mas não é o foco do assunto de hoje.).

No entanto, acredito que deveriam existir também, músicas com esta censura.

O que me fez pensar sobre isso, é um acontecimento que presenciei. Certa vez, no ônibus, um ser que desconhecia a maravilha tecnológica chamada “fone de ouvido“, ouvia uma música chamada “Chupa que é de uva” (Não preciso explicar o que implica esta música, né? – Para quem não conhece, clique aqui (por sua conta e risco!).). Ao chegar no refrão, escuto um menino de uns 4 anos perguntar para a mãe: “O que que é de uva?“. A mãe ficou constrangida e falou alguma coisa baixinho para a criança. Fico imaginando que resposta ela deu…

Músicas também deveriam ter censura.
Músicas também deveriam ter censura. – Imagem retirada deste site.
Quem não se lembra do “É o Tchan”?
Quem não se lembra do “É o Tchan”? – Foto retirada deste site.

Como sabemos, aqui no Brasil temos muitas músicas desse tipo, com letras maliciosas que remetem ao ato sexual. E elas são tocadas abertamente, mesmo na televisão, ou na rádio. Os shows, até onde eu saiba, com exceção do funk, não são proibidos para menores.

Como resultado disso, vemos crianças rebolando e fazendo as coreografias sensuais e/ou obscenas, e os adultos achando uma gracinha…. Acredito que as informações sobre sexo devam ser introduzidas na vida dos pequeninos de forma planejada, pois é um assunto sério. No entanto, a criançada já é familiarizada com isso desde cedo, sem nenhuma orientação prévia decente.

E, quando falo sobre orientação sexual, não estou falando das “aulas” que temos nas escolas, à partir de uma certa idade. Estas são importantes também, pois, explicam sobre as mudanças no corpo na época da puberdade, o que acontece com o organismo durante o ato, e as consequências possíveis disso; além de ensinar sobre as formas de prevenção de doenças e gravidez indesejada. No entanto, falo sobre o significado de se fazer o sexo. Muitos, incluindo os adultos, não sabem sobre isso. Acham que é prazer, um método de procriação, ou satisfação dos instintos de manutenção da espécie.

Isso não está errado, mas há um significado muito maior para isso: os sentimentos! Sexo não é a busca de uma parceira(o) atraente para se obter o prazer próprio. É amor verdadeiro e profundo! Esquece-se de ensinar isso às crianças, tendo como consequência, uma visão distorcida e superficial do assunto. Por exemplo, é muito comum os jovens que não tiveram sua primeira experiência, terem vergonha disso, pois serão alvo de “brincadeiras” dos demais, quando na verdade não há nada de errado com isso, apenas não se encontrou um amor sincero para que isso acontecesse (e, as pessoas que se guardam para alguém especial, são admiráveis). O sexo deve ser feito quando há um amor tão grande, que a vontade de se unir é incontrolável, a determinação de que esta pessoa é aquela com quem deseja-se passar a vida toda! (Mesmo que isso não ocorra no futuro, mas ter este sentimento sincero é essencial! – Falei mais sobre isso neste post.). É o amor e prazer mútuos, e não só o próprio.

No entanto, poucos sabem disso. Os motivos, creio eu, são diversos, e a falta de censura é uma delas. Podemos ver cenas que implicam em sexo na novela das 9h! E é abordado de uma forma tão casual! Além disso, a “proibição” limita-se a cenas explícitas do ato e de nudez. Porém, acho que isso não seja o suficiente, vide a uva!

Exemplo de cena imprópria para menores na novela “Fina Estampa”, da Rede Globo.
Exemplo de cena imprópria para menores na novela “Fina Estampa”, da Rede Globo. – Foto retirada deste site.

Pode não parecer, mas tudo o que assistimos, assim como as músicas que ouvimos, influenciam intrinsecamente no nosso ser. E isso é mais válido ainda para as crianças, que estão em formação psicológica e de seus valores.

Creio que não deveriam tocar, nas rádios e nem em qualquer lugar, músicas que remetem à sexo, ao corpo feminino (onde está implícito a visão da mulher como objeto), drogas e bebidas alcoólicas, durante o dia, deixando somente para a madrugada, ou em estações/canais exclusivos para isso (como ocorre com os filmes e programas eróticos/pornográficos). Além disso, os shows de cantores, grupos e bandas que tocam esse estilo de música, ou mesmo as que tem dançarinas seminuas com poucas roupas, fazendo danças sensuais, deveriam ser restritos a maiores de 18 anos.

Vou dar um exemplo legal: no Japão, existiu um grupo feminino chamado SDN48 (Saturday Night 48), grupo irmão do popular AKB48. O diferencial deste, é que todas as integrantes eram maiores de 20 anos, as músicas e as coreografias eram ousadíssimas (mas sem nudez, e sem ficar se esfregando com algum fã, como acontece, de vez em quando, por aquiobs.: Nada contra a artista, e nem seus fãs. É só uma ilustração sobre o assunto.). Porém, seus shows eram proibidos para menores, ocorrendo geralmente, nas noites dos sábados.

Quanto às rádios, não tenho informação se as músicas delas eram tocadas em qualquer horário, mas acredito eu, que não.

Creio que este é um ponto que amenizaria a malícia da criançada. Digo “amenizaria”, pois, ao meu ver, o maior problema dessa questão é a internet, como já mencionei acima.

Poucos notam, mas as crianças não estão tendo mais infância, já ouvi meninas na faixa dos 9 ou 10 anos falando sobre sexo, como se fossem peritas no assunto, e com uma naturalidade, discutindo se Fulano é bom de cama, ou se Beltrano é melhor…. Isso é algo que me assusta e entristece, e que deveria preocupar as pessoas. Eu, com essa idade, no máximo era apaixonadinho por uma menina, e ficava sonhando coisas como andar de mãos dadas, dar beijinhos, coisas assim – no mais, ia brincar, assistia desenhos animados, etc. Imagino o que os meninos desta idade almejam fazer (quando não fazem de fato) com as meninas, tendo a mentalidade e a “maturidade” distorcida de hoje. (O mesmo vale para as meninas, é claro).

Criança dançando funk.
Criança dançando funk. – Foto retirada deste blog.

As crianças são o futuro e a esperança de nossa nação, ou melhor, de nosso mundo! Deveríamos cuidar melhor da educação, da formação de valores, e do cerne da alma destes pequeninos. Ensiná-los a vibrar no Amor, a exteriorizar a Sabedoria e propagar a Harmonia!

Por hora é só!

E nunca se esqueçam! O maior de todos os tesouros são os seus sonhos!

Abraços!